Mario Monti forma equipe de governo sem nenhum político de profissão | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 16.11.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mario Monti forma equipe de governo sem nenhum político de profissão

Professores universitários, diplomatas, juristas, executivos: com apenas 16 ministérios, novo gabinete de governo em Roma é voltado para eficiência. Monti precisa recuperar o tempo perdido e reconquistar a confiança.

default

Mario Monti (e) aperta a mão do presidente Napolitano

Secundado por um governo de tecnocratas, o primeiro-ministro nomeado da Itália, Mario Monti, entra na luta contra a crise de endividamento que levou seu país à beira do colapso financeiro. Nenhum dos ministros escolhidos é político de carreira: são professores universitários, diplomatas, juristas, executivos. E, até segunda ordem, o próprio Monti estará à frente da pasta da Economia, como anunciou nesta quarta-feira (16/11).

"Trabalhamos com grande seriedade, num tempo curto; ao escolher valorizamos a qualidade. Estamos convencidos com o resultado, pois recebemos muitos sinais de encorajamento de nossos parceiros europeus e de todo o mundo", declarou o respeitado economista.

Eficiência parece ser a marca registrada desse novo governo italiano: Monti formou seu gabinete em menos de uma semana, reduzindo a 16 ministros o aparato governamental inflacionado de Silvio Berlusconi. O tempo urge: pouco antes de ser anunciado o novo gabinete, a taxa de juros dos títulos públicos italianos voltou a ultrapassar a marca crítica de 7%. Com a rápida formação de sua equipe, Monti quer transmitir uma mensagem de confiança.

Italiens neue Regierung

Novo premiê italiano fala no Palácio Quirinale

Ilustres desconhecidos

Excluído o próprio Monti, os nomes da maioria dos chefes de pasta são pouco conhecidos do grande público. No máximo Corrado Passera, diretor executivo do maio banco italiano, o Intesa Sanpaolo, que foi nomeado para a Infraestrutura e Indústria. Trata-se de um ministério-chave para Monti, que definiu como sua meta central o impulso econômico ao país.

Passera criticava repetidamente o governo Berlusconi por sua inação contra a crise. Assim como a maior parte dos empresários italianos, ele saudou a mudança em Roma. "As poucas declarações de Monti levam a esperar um programa de rigorosa contenção, incentivo à economia e equalização social. Em conjunto, tudo isso voltará a impulsionar o crescimento de forma duradoura, levando a desenvolvimento, competitividade e coesão social."

Uma das tarefas mais difíceis para o novo gabinete cabe à ministra da Justiça, Paola Severino. A especialista em direito penal precisa reformar o sistema de Justiça. Os processos demoram demais, promotores públicos usam inquéritos espetaculares para se projetar, e registros confidenciais acabam indo parar com frequência excessiva na imprensa.

No contexto do processo contra a estudante norte-americana Amanda Knox, Paola Severino acentuou que o Estado de Direito na Itália funciona. "Existe a importante garantia de poder reavaliar um processo em segunda instância. É preciso registrar esse fato", declarou na ocasião.

Mais católico e menos político

Der italienische Historiker Andrea Riccardi

Andrea Riccardi, Prêmio de Aachen 2009

Entre os novos chefes de pasta, o nome de maior projeção internacional é certamente o do romano Andrea Riccardi, professor de História e estudioso da Igreja moderna e contemporânea, indicado para a Ajuda ao Desenvolvimento e Integração. Ele é fundador da comunidade católica Sant'Egidio, engajada no campo do trabalho social e da paz. Em 2009, recebeu o Prêmio da Paz de Aachen.

"Não sei se fazemos política. Como bom filho de 1968, estou convencido de que tudo é política. Acho que em Sant'Egidio trabalhamos em duas coisas que constituem política: uma se refere à paz; e a outra diz respeito à cultura de vida – e cultura de vida é sempre diálogo."

Além de pensador político, Riccardi é também um homem da Igreja, tido em alta consideração pelo Vaticano. Na fase final de Berlusconi, as relações entre a Igreja Católica e Roma eram mais do que glaciais. Aqui, Monti emite outro sinal importante: seu governo será mais católico e menos político. À mesa de seu gabinete não sentará um único político partidário ativo.

Autor: Tilmann Kleinjung, de Roma (av)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados