1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Maratona de Berlim tem mais de 48 mil participantes

Um milhão de pessoas deverá acompanhar nas ruas da capital alemã a realização de sua 29ª maratona, no domingo. Foi em Berlim que triunfou, em 1988, o brasileiro Ronaldo da Costa, com a incrível marca de 2h06min05s.

default

Naoko Takahashi, vencedora da maratona de Berlim em 2001, é a favorita da prova deste ano

Os participantes da maratona de Berlim vêm de 90 países: são 48.599 corredores e atletas de outras modalidades, incluindo patinação inline, maratona em cadeira de rodas e uma mini-maratona especialmente para adolescentes. A participação é mais uma vez recorde.

Em termos de grandiosidade, a competição de Berlim é comparável às maratonas das grandes metrópoles mundiais como Londres e Nova York. É a primeira de uma série de maratonas que se realizam neste outono em várias cidades da Alemanha: Colônia (06/10) espera 22.000 participantes, Frankfurt (27/10) 15.000 e Munique (13/10) 10.000.

Favoritos – A grande estrela dentre as mulheres é a japonesa Naoko Takahashi, 30 anos, que consagrou-se em Berlim, no ano passado, como a primeira mulher a correr abaixo da marca de 2h20min. Ela terminou a prova em 2h19min46s, mas seu recorde já foi superado pela queniana Catherine Ndereba (2h18min47s).

Dentre os homens, teremos o reencontro de vários ex-campeões, sendo que o favorito é o campeão do ano passado, o queniano Joseph Ngolepus. Ele venceu a prova com o tempo de 2h08min47s. Esta será aliás a primeira vez em que ambos os vencedores das modalidades masculina e feminina do ano anterior disputam a prova seguinte.

Além deles, estarão correndo Simon Biwott, vencedor em 2000, e o brasileiro Ronaldo da Costa, que desde 1998 não conseguiu mais repetir sua façanha.

Injeção de 65 milhões de euros – Além do aspecto esportivo, a maratona de Berlim tornou-se um importante fator econômico na capital alemã. A presença de mais de 100 mil turistas gera 65 milhões de euros para a cidade, somando-se o movimento dos hotéis, restaurantes e comércio. Os hotéis de Berlim estão todos lotados.