Manifestantes pró e contra impeachment rejeitam Temer | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Manifestantes pró e contra impeachment rejeitam Temer

Segundos sondagens feitas em São Paulo pelo Datafolha, maioria das pessoas que foi às ruas defende que Temer também seja afastado do poder e avalia um possível governo dele de forma negativa.

Uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira (18/04) pelo Instituto Datafolha afirma que a maioria dos manifestantes que foi às ruas de São Paulo neste domingo, em atos pró e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, são favoráveis também ao afastamento do vice-presidente Michel Temer.

A sondagem feita durante o protesto na Avenida Paulista, que reuniu 250 mil pessoas contra o governo, mostra que 54% defendem o impeachment do vice-presidente e que 68% dos entrevistados acreditam que a gestão dele será regular ou ruim/péssima.

Assistir ao vídeo 02:49
Ao vivo agora
02:49 min

Momentos inusitados da votação do impeachment

Entre os manifestantes pró-governo reunidos no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, a avaliação é ainda mais negativa: 79% defendem o impeachment de Temer e 88% consideram um possível governo dele ruim ou péssimo.

Sobre uma possível saída de Dilma, 77% das pessoas ouvidas no centro da capital paulista disseram acreditar que a presidente não perderá o cargo. Já na Avenida Paulista, 94% dos manifestantes afirmaram que Dilma sofrerá impeachment.

O Datafolha ouviu 2.078 pessoas na Avenida Paulista e 1.147 no Anhangabaú, entre as 15h e as 22h.

Em relação ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, 87% dos entrevistados pró-impeachment são favoráveis à cassação do mandato dele. Entre os manifestantes pró-governo, o índice sobe para 94%.

O impedimento da presidente foi aprovado pelos deputados federais neste domingo, com 367 votos a favor e 137 contra. O processo segue agora para avaliação do Senado.

KG/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados