1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Manifestantes ocupam aeroporto de Acapulco por três horas

Onda de protestos se instala no país após o anúncio do provável massacre de 43 estudantes em Guerrero. No aeroporto da maior cidade do estado mexicano, manifestantes chamam presidente de assassino.

Desde o sumiço de 43 estudantes na cidade mexicana de Iguala, em setembro último, o país latino-americano foi tomado por protestos. Nesta segunda-feira (10/11), centenas de estudantes, professores e familiares dos alunos desaparecidos bloquearam o aeroporto internacional de Acapulco, a principal cidade do estado de Guerrero.

O aeroporto foi ocupado durante três horas. Nas paredes do terminal aéreo, os manifestantes escreveram frases como "Somos todos Ayotzinapa" – cidade próxima a Iguala, em Guerrero, onde os alunos estudavam – e "Peña Nieto assassino", mencionando o nome do presidente mexicano que se encontra, no momento, na China.

Antes da marcha para o aeroporto, foram registrados confrontos entre os manifestantes e a polícia, que deixaram 18 policiais e nove manifestantes feridos, nenhum com gravidade.

Os protestos desta terça-feira se sucedem a violentos confrontos ocorridos no sábado na capital de Guerrero, Chilpacingo, e na Cidade do México, após as autoridades terem anunciado que suspeitos de integrarem uma gangue de tráfico de drogas haviam confessado a morte dos 43 estudantes e a incineração dos cadáveres.

Mexiko Protest Flughafen Acapulco

Manifestantes bloqueiam acesso ao aeroporto de Acapulco

Na noite de domingo, um pequeno grupo de manifestantes tentou invadir o Palácio Nacional da Cidade do México. Os cerca de 20 manifestantes encapuzados atearam fogo à porta principal do edifício histórico do século 16, onde escreveram "Queremo-los de volta vivos". O grupo, no entanto, não conseguiu entrar no palácio.
Nesta segunda-feira, o porta-voz do governo, Eduardo Sanchez, disse que o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, está "verdadeiramente magoado" devido à tragédia dos estudantes de Ayotzinapa, mas que não podia perder a oportunidade de promover os investimentos no país durante a sua viagem à China e Austrália.

"Ya me cansé"

Também nesta segunda-feira, o procurador-geral do México, Jesús Murillo Karam, justificou a polêmica frase "Ya me canse" (eu cansei), que proferiu na última sexta-feira e que tem sido usada pelos manifestantes, como também nas redes sociais, como slogan contra a violência e a impunidade no México.

Visivelmente cansado, Karam utilizou a frase durante uma coletiva de imprensa com a intenção de evitar mais perguntas dos jornalistas, depois de mais de uma hora fazendo a reconstrução dos fatos envolvendo o desaparecimento dos 43 estudantes mexicanos.

Mexikanischer Generalstaatsanwalt Jesus Murillo Karam bei PK zur Ermordung der 43 Studenten in Guerrero

Murillo Karam: "Ya me cansé" ("eu cansei")

"Quando eu disse 'estou cansado', quis dizer que estou cansado disso, dessa violência brutal", disse o procurador-geral em entrevista à TV. Karam afirmou ainda que já perdeu muitas horas de sono e que ficou comovido após um encontro com os pais dos jovens.

"Não tenho por que mentir, sou tão humano como qualquer um e também me canso. Passei 30 dias dormindo quatro horas por noite, e cada dia tinha 40 horas", disse.

Mortos e incinerados

Em 26 de setembro, três estudantes da Escola Normal de Ayotzinapa, no sul do México, e outras três pessoas foram assassinadas a tiros por policiais municipais, possivelmente por ordem do ex-prefeito de Iguala.

No mesmo dia, os policiais detiveram outros 43 jovens, entregando-os posteriormente a membros do grupo criminoso Guerreros Unidos. Estes teriam matado os estudantes e queimado os corpos, mantendo acesa uma fogueira durante mais de 14 horas, segundo o testemunho de um dos autores do crime.

Os investigadores encontraram restos de ossos e cinzas numa lixeira do município de Cocula, vizinho a Iguala, bem como em oito sacos lançados num rio pelos criminosos. O DNA dos restos será agora analisado por um laboratório na Áustria. Enquanto as investigações não forem concluídas, os jovens continuam sendo considerados desaparecidos.

CA/dpa/afp/lusa

Leia mais