Manifestações em cidades brasileiras pedem saída de Temer | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 21.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Manifestações em cidades brasileiras pedem saída de Temer

Atos convocados por movimentos de esquerda e sindicatos ocorrem nas grandes cidades, com maiores concentrações em Belo Horizonte e São Paulo. Além da saída do presidente, manifestantes pedem eleições diretas.

default

Em Brasília, a Esplanada dos Ministérios foi palco de protesto pela saída de Temer e realização de eleições diretas

Diversas cidades brasileiras tiveram neste domingo (21/05) manifestações contra o presidente Michel Temer e a favor da convocação de eleições diretas. Os atos foram organizados por movimentos de esquerda e organizações sindicais e tiveram adesão bem abaixo da registrada em atos semelhantes que pediram a saída da ex-presidente Dilma Rousseff.

Manifestantes – em sua maioria vestidos de vermelho e munidos de cartazes e bandeiras sindicais – pediram a saída de Temer e a realização de eleições diretas e criticaram as reformas da Previdência e trabalhista. Além disso, alguns cartazes expressavam apoio a Dilma e outros pediam a volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao comando da nação.

Palco das maiores manifestações contra Dilma, São Paulo teve início de seu ato agendado para o fim de tarde na Avenida Paulista. A chuva que caía forte na capital paulista atrapalhou os planos dos organizadores, com a manifestação atraindo menos pessoas do que o esperado e se concentrando em frente ao Masp.

Com a chuva, muitos manifestantes buscaram abrigo sob as marquises do museu e da avenida. Com a desistência dos grupos anti-Dilma, como o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem pra Rua, que havia feito uma convocação, mas a retirou alegando motivos de segurança, centrais sindicais, organizações de esquerda e movimentos sociais, como o MTST, marcaram presença.

Brasilien Proteste gegen Temer mit geringer Beteiligung

Com apito na boca, mulher pede a prisão de Michel Temer, Aécio Neves e do ministro do STF Gilmar Mendes

A Força Sindical afirmou que o ato deste domingo é apenas uma preparação para a manifestação prevista para quarta-feira, em Brasília, contra as reformas da Previdência e trabalhista. "Vão ser 100 mil pessoas de diferentes centrais sindicais. Só a Força vai levar 20 mil pessoas de diversos locais do país. A chuva atrapalhou um pouco os protestos, mas os trabalhadores estão se preparando para ir a Brasília", disse o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, à Folha de S. Paulo.

Milhares em Belo Horizonte

A maior aglomeração popular aconteceu na capital de Minas Gerais, estado do ex-candidato presidencial Aécio Neves, que foi afastado do Senado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) após revelação de áudio em que pede 2 milhões de reais ao dono da JBS, Joesley Batista. Milhares de manifestantes se reuniram na Praça da Liberdade e seguiram em passeata até a Praça Sete de Setembro, no centro de Belo Horizonte.

O ato foi convocado pela Frente Brasil Popular, pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), além de outros movimentos sociais, estudantis e partidos de esquerda. A Polícia Militar não divulgou estimativa de presentes. Os organizadores divulgaram a presença de 50 mil pessoas. Além de Belo Horizonte, Minas Gerais teve protestos também em Juiz de Fora (cerca de mil pessoas) e Uberlândia (Polícia Militar estima 120 participantes).

Pouca participação no Rio

Números baixos foram registrados no Rio de Janeiro, onde cerca de cem manifestantes protestaram contra a corrupção nas areias da praia de Copacabana, na altura do hotel Copacabana Palace.

O ato organizado pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Estado (Muspe) pediu também a renúncia do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB). Outros alvos do protesto em Copacabana foram o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) e sua esposa Adriana Ancelmo. Um terceiro grupo de algumas dezenas de manifestantes caminhou até a casa do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), primeiro na linha sucessória em caso de saída de Temer.

Em Brasília, um grupo de cerca de 250 pessoas – estimativa da Polícia Militar – se reuniu em frente à Biblioteca Nacional, a poucos metros do início da Esplanada dos Ministérios. Boa parte dos manifestantes são membros de sindicatos e centrais sindicais, como a CUT. Também estavam presentes movimentos, como o Levante Popular da Juventude, e militantes do PT e do PCdoB.

Em Curitiba, a chuva atrapalhou a manifestação, que reuniu cerca de 250 pessoas no centro da cidade. Marchas ocorreram em Salvador e Fortaleza, com participação de centenas de pessoas. Houve manifestações também em Belém (sem números divulgados), no entorno do Theatro da Paz, em Campo Grande (Polícia Militar estimou o grupo em 150 participantes), em Goiânia (sem estimativa, pois a Polícia Militar não esteve no local), em Manaus (cerca de 300 pessoas), em São Luís (Polícia Militar estimou 500 pessoas, mas organizadores falam em 3 mil), e em Natal (organizadores falam em 4 mil pessoas).

PV/ots

Leia mais