1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Manifestações em Burkina Faso pedem saída de militares do poder

Centenas vão às ruas exigir que poder volte às mãos dos civis, depois que o tenente-coronel Yacouba Isaac Zida foi nomeado presidente do país pelo Exército. ONU pede que eleições sejam realizadas o mais rápido possível.

Cerca de mil pessoas protestaram neste domingo (02/11) numa praça no centro de Uagadugu, capital de Burkina Faso, para pedir a participação da sociedade civil na transição comandanda pelo Exército. Para os manifestantes, a transição "pertence ao povo" e não pode ser "confiscada" pelos militares.

De acordo com testemunhas, a manifestação na Praça da Nação – o epicentro dos grandes protestos contrários à extensão do mandato do ex-presidente Blaise Compaoré – não reuniu tantas pessoas como era esperado. Para alguns representantes da oposição e da sociedade civil não há necessidade de realizar protestos antes de discutir o processo de transição com o Exército.

De acordo com a agência de notícia AFP, o Exército assumiu o controle da emissora de rádio e TV nacional de Burkina Faso. Soldados da Guarda Presidencial dispararam para o ar no pátio de entrada do edifício, para dispersar os manifestantes antes de assumirem o controle das instalações.

Autoridades das Nações Unidas apoiam o rechaço de EUA e União Africana ao governo militar, mas expressaram um moderado otimismo perante a possibilidade do poder voltar às mãos de um civil. Eles desejam que eleições livres e justas sejam realizadas o mais rápido possível.

"Esperamos uma transição liderada pelos civis em linha com a Constituição", disse Mohammed Chambas, chefe do Departamento da ONU para a África Ocidental.

A Alemanha também condenou a tomada do poder no país pelos militares e pediu que eles o devolvam às autoridades constitucionais. O país europeu aconselhou, ainda, que cidadãos alemães evitem viajar à nação africana. No comunicado, o governo em Berlim pede que todas as partes ajam com prudência e responsabilidade política.

Escolhido pelos militares

Até o momento, o subchefe da Guarda Presidencial de Burkina Faso, tenente-coronel Yacouba Isaac Zida, foi escolhido pelos militares para liderar o processo de transição no país. O chefe do Estado-Maior, general Nabéré Honoré Traoré, que se proclamou presidente num primeiro momento, deu respaldo a Zida. O tenente-coronel foi eleito por unanimidade pela alta hierarquia militar do país.

O número dois na hierarquia da Guarda Presidencial tem mais respaldo de setores da sociedade civil do país do que o general Traoré, que é considerado muito próximo do ex-presidente Blaise Compaoré.

Depois de ficar 27 anos no poder, ao qual chegou depois de ter protagonizado um golpe de Estado, Compaoré apresentou a sua demissão do cargo após três dias de manifestações que pediam a sua saída. Na quinta-feira, os manifestantes invadiram o prédio do Parlamento, onde seria votada uma alteração constitucional que permitiria a Compaoré concorrer a mais um mandato de cinco anos.

Proteste nach Militärputsch in Bukina Faso 02.11.2014

Manifestante segura cartaz que pede a saída de Zida do cargo de presidente

FC/afp/dpa/rtr/lusa/ap

Leia mais