1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Manifestação contra cúpula do G7 reúne 30 mil em Munique

Ambientalistas e opositores da globalização protestam três dias antes do início de reunião em Elmau, na Baviera. Ativistas apresentam demandas como redução da pobreza e combate às mudanças climáticas.

Nesta quinta-feira (04/06), mais de 30 mil pessoas, segundo dados da polícia, tomaram as ruas de Munique para protestar contra o encontro dos líderes do G7 –Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão e Reino Unido – na cidade de Elmau, também na Baviera. A reunião de cúpula começa neste domingo.

O protesto na capital bávara reuniu ambientalistas, opositores da globalização e outros manifestantes apresentaram demandas envolvendo desde tratados internacionais de comércio e redução da pobreza ao combate às mudanças climáticas e à imigração. O lema da manifestação desta quinta-feira foi "Parar o TTIP [pacto de livre-comércio EU-EUA] – Salvar o clima – Combater a miséria." Cerca de 3 mil policiais foram mobilizados, e não houve conflitos.

"Os representantes dos mais ricos e poderosos países do mundo reivindicam decidir o destino de todo o mundo, sem ter qualquer legitimidade para tal", escreveu em sua página de internet o grupo Stop G7 Elmau 2015. "A política do G7 significa políticas econômicas neoliberais, guerra e militarização, exploração, pobreza e fome, degradação ambiental e [bloqueio a] refugiados", completaram os ativistas.

Na Alemanha, protestos contra a cúpula do grupo seleto de países industrializados já aconteceram em 2007, durante o encontro do G8, grupo que ainda incluía a Rússia. Na ocasião, as manifestações resultaram em confrontos com a polícia em Rostock e Hamburgo, deixando dezenas de policiais e manifestantes feridos.

O encontro do G7 terá início na tarde deste domingo em Elmau, a cerca de 60 quilômetros de Munique. Poucas horas antes, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, e o presidente americano, Barack Obama, deverão se encontrar para um café da manhã bávaro no vilarejo vizinho de Krün, onde terão oportunidade de se aproximar da população.

Neste ano, o mau relacionamento do G7 com o antigo membro Rússia ofusca o encontro. Merkel reagiu com reservas à afirmação do ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, de que Moscou deveria voltar o mais rápido possível ao grupo.

"Havia muitos que diziam que a Alemanha continuaria dividida, e agora estamos reunificados. Algumas coisas levam mais tempo. É preciso haver uma mudança de posicionamento da Rússia, e eu não vislumbro isso agora", afirmou a chefe de governo alemã à emissora de TV RTL.

CA/dpa/afp

Leia mais