Mais uma baixa no governo Trump | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 16.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mais uma baixa no governo Trump

Indicado pelo presidente dos EUA para o Departamento do Trabalho desiste de sabatina no Senado, após revelação de que contratou empregado em condição ilegal sem pagar os devidos impostos.

Andrew Puzder (esq.) contratou empregado em situação ilegal no país, sem pagar os devidos impostos

Andrew Puzder (esq.) contratou empregado em situação ilegal no país, sem pagar os devidos impostos

Pouco depois da renúncia do ex-assessor de Segurança Nacional Michael Flynn, em razão de mentir sobre seus contatos com o embaixador russo, mais um membro de gabinete nomeado do presidente americano, Donald Trump, se viu forçado a abandonar o governo.

O indicado para a Secretaria do Trabalho, Andrew Puzder, enfrentaria forte resistência no Senado, onde seria sabatinado nesta quinta-feira (15/02). Segundo a imprensa americana, 12 senadores republicanos estavam prontos para rejeitá-lo. Possivelmente antevendo as dificuldades, o bilionário, presidente da empresa CKE, que administra duas cadeias de lanchonetes fast-food, abdicou da nomeação.  

No passado, Puzder contratou serviços domésticos de um empregado em situação ilegal no país. Segundo relatos, ele sabia da condição de seu empregado. Ele afirma que o demitiu há cerca de cinco anos, mas deixou de pagar os impostos referentes à contratação até ser nomeado por Trump, no dia 9 de dezembro.

Puzder afirma que pagou os impostos assim que soube que estava em débito com as autoridades tributárias americanas, mas não explicou por que levou cinco anos para fazê-lo. Ele informou a Casa Branca sobre o fato somente depois de que já tinha sido indicado.

O episódio lhe custou o apoio de uma parcela significativa dos senadores republicanos. Os democratas, por sua vez, o criticavam desde o anúncio de sua indicação. Como empresário, Puzder se posicionou contra regulamentações trabalhistas e reajustes no salário mínimo. 

RC/ap/dpa/rtr

Leia mais