1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mais palestinos mortos após Israel iniciar ofensiva terrestre em Gaza

Mais de 20 pessoas morreram na Faixa de Gaza depois de o Exército de Israel invadir a região, elevando para 265 o número total de vítimas fatais. Netanyahu responsabiliza o Hamas pelas vítimas inocentes do conflito.

O número de palestinos mortos desde o início da atual ofensiva israelense na Faixa de Gaza subiu para 265 na manhã desta sexta-feira (18/07), o 11º dia da operação militar que, segundo Israel, foi iniciada para acabar com o lançamento de foguetes sobre o território israelense.

Segundo uma organização palestina de direitos humanos, mais de 80% das vítimas são civis. Ao menos 24 pessoas morreram na Faixa de Gaza somente na noite de quinta para sexta-feira, depois do início da fase terrestre da operação militar de Israel. Entre os mortos está um bebê de 5 meses. Além dos mortos, mais de 1.900 palestinos ficaram feridos desde o início da operação israelense, em 8 de julho.

Do lado israelense, o Exército divulgou que um soldado foi morto na noite de quinta para sexta no norte de Gaza. É o primeiro militar israelense a morrer na operação. No total, Israel contabilizou dois mortos até agora. Militantes em Gaza dispararam mais de 1.500 foguetes contra o território israelense, e outros cerca de 300 foram interceptados pelo sistema de defesa antimísseis israelense.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou que a operação militar terrestre é essencial para atingir os túneis do movimento de resistência islâmica Hamas na Faixa de Gaza, já que os bombardeios seriam insuficientes.

"Não é possível resolver [o problema] dos túneis apenas a partir do ar, os nossos soldados vão fazer isso em terra", declarou Netanyahu no início de uma reunião do governo. O Exército vai atacar os "túneis do terror" que vão de Gaza a Israel, sublinhou. A incursão terrestre foi decidida "depois de terem sido esgotadas todas as opções e com a consciência de que o preço a pagar pode ser alto", afirmou o primeiro-ministro.

Gazastreifen Opferzahl nimmt zu

Homem ferido é atendido num hospital na cidade de Gaza

Pouco antes da meia-noite de quinta-feira (horário local), o Exército de Israel iniciou a fase terrestre da ofensiva militar denominada Margem de Proteção, cujo objetivo declarado é incapacitar o Hamas e outros grupos armados de dispararem foguetes contra Israel e destruir a rede de túneis entre a Faixa de Gaza e Israel.

Netanyahu adiantou que, nas últimas horas, falou com vários líderes internacionais para explicar "a situação impossível que sofre Israel", insistindo que o seu país combate "com moderação uma organização terrorista assassina", o Hamas.

"O nosso objetivo é restabelecer a segurança dos cidadãos de Israel e devolver a calma ao país", disse. "Combatemos apenas os terroristas e não pessoas que não estejam envolvidas no conflito", sublinhou o primeiro-ministro, que acusou as milícias em Gaza de usar a população civil como "escudos humanos".

Netanyahu reconheceu que as críticas internacionais "são inevitáveis" perante as mortes colaterais da ofensiva e responsabilizou o "Hamas e só o Hamas" pelas vítimas inocentes do conflito.

Esta é a terceira ofensiva israelense na Faixa de Gaza desde que, em 2007, o Hamas assumiu o controle do enclave palestino. A União Europeia e os Estados Unidos, entre outros países, classificam o Hamas como organização terrorista.

AS/lusa/ap/afp/dpa

Leia mais