1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Mais fulminante que nunca

Aílton chega ao fim de mais um ano como líder da artilharia da Bundesliga. Graças a seu desempenho, o atacante brasileiro acertou sua transferência para o Schalke e é cotado pela imprensa para integrar a Seleção Alemã.

default

Gesto que se repete: alegria após mais um gol

O paraibano Aílton não esconde seu sonho de ser o artilheiro da Bundesliga em sua oitava temporada alemã. "Venho tentando há dois, três campeonatos, mas sempre acontece algo", lamentou em conversa com a DW-WORLD. Desta vez, entretanto, o atacante do Werder Bremen terminou o primeiro turno com uma safra de gols superior à do mesmo período em 2002. Se Aílton viajou no recesso de inverno passado com a soma de 13 gols, agora ele já ostenta 16, com média de um por jogo. Além disso, o compatriota Élber, que o ultrapassou na reta final da temporada passada, não joga mais no Bayern de Munique, nem na Alemanha.

"Talvez seja mais fácil agora", espera o artilheiro, que promete se engajar e treinar ainda mais para ganhar em maio o troféu Canhão Artilheiro. Para o ex-jogador do Guarani de Campinas, seu mais forte concorrente é Martin Max. O atacante do Hansa Rostock já foi artilheiro da Bundesliga em 2000 e 2002. Agora, o alemão está quatro gols atrás do brasileiro. Aílton conta também com Klose, do Kaiserslautern e da Seleção Alemã, atualmente com nove gols.

Meta não é título alemão

Embora o Werder Bremen tenha encerrado o primeiro turno na liderança, como o simbólico campeão do outono, o queridinho da torcida nortista procura ser modesto na avaliação das chances de seu clube quanto à conquista do título alemão. "Nossa meta é uma vaga na Liga dos Campeões (ou seja, até o terceiro lugar). Na Bundesliga, estamos correndo por fora. Para nós é bom que Bayern de Munique e Bayer Leverkusen sejam os favoritos", considera. Aílton não despreza, porém, o potencial de sua equipe.

"Nossas chances são boas e eu confio em nosso time. Ele está bem armado e entrosado." Ele aponta exatamente este aspecto como a principal razão do sucesso do Werder, com o qual a imprensa não contava na disputa da liderança. "Temos um grupo sensacional, sem rivalidades entre atacantes, armadores e zagueiros. Estamos unidos, brincamos juntos e isso ajuda em campo", afirma o paraibano.

De mudança para o Schalke

O Werder Bremen pode eventualmente ser campeão sem Aílton – se é que sem seu artilheiro o clube ainda terá condições de manter seu atual desempenho. O brasileiro pegou todos de surpresa em outubro ao acertar repentinamente sua transferência para o Schalke ao fim da temporada. O valor do contrato teria sido a razão da rapidez do acordo. Segundo a revista Der Spiegel, o atacante ganhará quatro milhões de euros ao ano. "Foi uma oferta bem superior à do Werder", admite o jogador, sem falar de números.

Aílton não descarta a hipótese de já se transferir para o Schalke durante o recesso de inverno, mas confessa que a perspectiva de o Werder sagrar-se campeão o obrigará a uma reflexão antes de qualquer decisão. Mas a antecipação na verdade não depende dele. Os clubes até agora não mostraram interesse, muito pelo contrário. O Schalke desconversa, certamente porque teria de pagar ao Werder a rescisão do atual contrato, enquanto ao fim da temporada o brasileiro terá passe livre. Já o Werder teria muito a perder se abrisse mão de seu principal goleador. "Não sei como os torcedores reagiriam", observa Aílton.

Polêmica sobre Seleção Alemã

Na segunda semana de dezembro, o artilheiro virou manchete na Alemanha porque estaria se oferecendo para naturalizar-se e assim jogar pela Seleção Alemã. "Nunca me coloquei à disposição", esclarece Aílton à DW-WORLD. O jogador afirma que a imprensa alemã o compreendeu mal. "Eu trabalho com o objetivo de jogar na Seleção Brasileira. Nunca disse que quero jogar pela Alemanha. Já disse várias vezes que não me sentiria bem vestindo o uniforme de outro país que não o meu", acrescenta.

A determinação, entretanto, não é total. Aílton admite que pensaria na hipótese de naturalização se houvesse a possibilidade de jogar a Copa do Mundo de 2006. "Qualquer jogador gostaria de participar de um mundial", diz, sem mostrar fé que isto venha a acontecer. Principalmente pela Seleção Brasileira. Afinal, o artilheiro estará completando 33 anos em julho de 2006, e "a concorrência dos mais jovens é muito forte". Ele sonha, porém, em ainda ser lembrado para os jogos das Eliminatórias.

Planos para pendurar as chuteiras

Seu futuro contrato com o Schalke terminará às vésperas do mundial. Aílton não sabe ainda se será o fim de sua carreira de jogador. "Aqui na Europa, te dão valor enquanto você estiver tendo bom desempenho, independente da idade", afirma. Mas o goleador já tem planos para quando pendurar as chuteiras. O paraibano pretende abrir um escritório na Alemanha, para intermediar a vinda de sul-americanos para os times alemães e lhes dar apoio. "A maioria dos jogadores tem dificuldades de se adaptar. Eu mesmo me senti muito sozinho quando cheguei", recorda.

Leia mais