Mais de 340 migrantes morrem no Mediterrâneo em três dias | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mais de 340 migrantes morrem no Mediterrâneo em três dias

Quatro naufrágios fazem número de mortos na arriscada travessia entre África e Europa em 2016 subir para mais de 4,5 mil. Ano já é o mais trágico de que se tem registro.

Barco com corpos de migrantes após naufrágio no Mediterrâneo em setembro de 2016

Barco com corpos de migrantes após naufrágio no Mediterrâneo em setembro de 2016

Mais de 340 migrantes morreram nos últimos três dias em quatro naufrágios no Mar Mediterrâneo, informou nesta quinta-feira (17/11) a Organização Internacional para as Migrações (OIM). Com isso, sobe para mais de 4,5 mil o saldo de mortos e desaparecidos tentando fazer a travessia no Mar Mediterrâneo somente em 2016 – o ano mais trágico que se tem registro.

A notícia foi divulgada pelo porta-voz da OIM em Roma, Flavio Di Giacomo: "Mais um naufrágio na noite passada", escreveu no Twitter. "[A equipe] do Argos resgatou 27 migrantes. Provavelmente 103 vítimas. Mais de 340 migrantes mortos nos mares apenas nos últimos dois dias."

Segundo reportagem da agência de notícias AP, o último resgate foi feito durante a noite pelos Médicos Sem Fronteiras. A equipe teria sido informada pelos 27 sobreviventes que outras 130 pessoas estavam a bordo do bote quando este afundou. Sete corpos foram recuperados.

Em entrevista à agência DPA, Di Giacomo detalhou outros três casos recentes. O primeiro naufrágio teve 15 sobreviventes e 35 desaparecidos; seguido por outro com 23 pessoas salvas e 99 não encontradas. No terceiro, 114 pessoas sobreviveram, um corpo foi recuperado e há cinco desaparecidos.

Di Giacomo disse ainda que a cifra de mortos tem aumentado, sobretudo porque os traficantes na Líbia estão forçando embarques apesar de más condições climáticas, aumentando as chances de acidente. "Sobreviventes nos disseram que eles foram forçados a entrar no barco mesmo relutantes por causa do mau tempo", afirmou.

IP/dpa/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados