1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Migração

Mais de 103 mil migrantes atravessam Mediterrâneo em 2015

Agência da ONU para refugiados registra nos primeiros meses do ano "aumento dramático" no número de pessoas que tentam chegar à Europa via Mar Mediterrâneo. Maioria foge da violência na Síria, Líbia e Afeganistão.

Desde janeiro, mais de 103 mil migrantes arriscaram suas vidas na travessia do Mar Mediterrâneo para tentar chegar à União Europeia (UE), afirmou nesta terça-feira (09/06) a agência da ONU para refugiados (Acnur) ao relatar um aumento preocupante nesse fluxo migratório.

Segundo o porta-voz da agência Adrian Edwards, a Acnur está "intensificando sua presença na Grécia e no sul da Itália, em resposta ao aumento dramático de refugiados e migrantes que vemos chegando".

Somente nos últimos dias,

navios europeus resgataram mais de 6 mil

pessoas no Mediterrâneo. A grande maioria era de países da África subsaariana e partiram da Líbia em direção à Europa.

De acordo com a Organização Internacional de Migração (OIM), cerca de 54 mil migrantes chegaram à Itália neste ano, um aumento de aproximadamente 10% em relação ao mesmo período do ano passado.

No entanto, a situação é mais preocupante na Grécia. Até o início de junho mais de 48 mil migrantes chegaram ao país. Um número bem maior do que o total registrado em 2014, que foi de 34 mil. A Espanha e Malta também são pontos de chegada de refugiados.

Tendência de aumento

Com o crescimento do fluxo migratório, as

mortes em massa

no Mediterrâneo também têm se tornado frequentes. A OIM estima que mais cerca de 1,8 mil migrantes já perderam a vida este ano, na tentativa de atravessar a região – 30 vezes mais do que no mesmo período de 2014.

A organização prevê ainda que o fluxo deve permanecer intenso durante o verão, devido às condições climáticas e à calma do Mar Mediterrâneo. "As operações de regaste realizadas pela frota internacional são um prelúdio do que é esperado ser a onda migratória nos próximos meses", afirmou o porta-voz da OIM Joel Millman.

A maioria dos migrantes está fugindo de conflitos na Síria, Líbia e Afeganistão e também do regime totalitário da Eritreia.

CN/afp/dpa

Leia mais