1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Maioria dos muçulmanos franceses é bem integrada", diz especialista

Atentado em Paris reacende polêmica sobre a capacidade de integração de seguidores do islã na Europa. Para a cientista política francesa Catherine de Wenden, fundamentalistas e terroristas são absoluta minoria na França.

O atentado à redação do semanário satírico Charlie Hebdo, nesta quarta-feira (07/01), em Paris, dá nova urgência à questão da islamofobia e do papel dos muçulmanos nas sociedades europeias. Nos últimos anos, a França vem enfrentando o desafio da integração de sua população islâmica, a maior da Europa, estimada em cerca de 10% dos 65 milhões de habitantes do país.

Catherine de Wenden, do Instituto de Estudos Políticos de Paris, situa o atentado no contexto de diversos desdobramentos recentes, e de uma comunidade islâmica em seu país que é heterogênea e, em parte, muito bem sucedida social e politicamente – fato que também gera inveja e ódio entre os franceses.

Na visão da cientista política, a grande maioria dos muçulmanos do país está bem integrada: há os fundamentalistas, mas eles são uma minoria ínfima.

Deutsche Welle: O ataque contra o tabloide Charlie Hebdofoi realizado com aparente motivação fundamentalista islâmica. Qual são os antecedentes desse ato?

Catherine de Wenden

Catherine de Wenden, cientista política do Institut d'études politiques de Paris

Catherine de Wenden:Como na Alemanha, também na França houve manifestações contra o islã – talvez um pouco menos numerosas. O tabloide Charlie Hebdo reproduziu há alguns anos as caricaturas de Maomé publicadas pelo jornal dinamarquês Jyllands Posten. Isso ofendeu uma parte da comunidade muçulmana da França.

Neste meio tempo, diminuiu a censura contra as expressões de islamofobia. Isso se vê em numerosos livros, como, por exemplo, Le suicide français, de Eric Zemmour, uma espécie de ensaio sobre o declínio francês. O novo livro de Michel Houellebecq também se encaixa aí: um romance sobre uma França ameaçada pela extrema direita que, ao mesmo tempo, tem um presidente muçulmano.

Da mesma forma, existem algumas correntes laicistas e anticlericais, que se voltam contra a visibilidade pública do islã – assim como, em geral, contra a visibilidade de símbolos religiosos no espaço público. Paralelamente, há a extrema direita.

O islamismo é, portanto, criticado por vários lados ao mesmo tempo. Acrescente-se o pessimismo cultural, cujos posicionamentos são, em parte, também assimilados pela direita. Todas essas correntes se concentram sobre um inimigo comum: o islã.

De onde vem essa atitude distanciada em relação ao islã?

Por um lado, os críticos do islã se colocam cada vez menos freios. Hoje, a Frente Nacional (FN) pode se apresentar livremente em público e se manifestar. Antes, suas teses ainda eram severamente criticadas pelos meios de comunicação. Atualmente muitos franceses se identificam abertamente com a FN, cujas teses são difundidas da forma mais simples, banal, possível. Além disso, há outros partidos de direita que adotam as mensagens da FN.

Do outro lado, a França padece de uma alta taxa de desemprego. Fica-se procurando os culpados por isso, alguém que se possa responsabilizar pela miséria. E encontraram-se esses culpados, na figura do islã e da comunidade muçulmana.

Existe, ainda, o contexto internacional: a crise no Iraque, o "Estado Islâmico" (EI). Além disso, partes da comunidade muçulmana não tiveram uma boa formação: alguns não concluem a escola, outros resvalam para a ilegalidade. A partir disso, há quem conclua que os muçulmanos não se integram, devendo, portanto, ser rejeitados. Assim, não se tenta conviver com eles, que são, antes, encarados como inimigos.

Todos esses fatores se condensam, então, numa islamofobia difusa. E o grande sucesso do livro de Eric Zemmour mostra que amplas parcelas da população francesa se alinham a essa postura de crítica ao islã.

Anschlag auf Charlie Hebdo - Schweigeminute in Paris

Minuto de silêncio no Palácio do Eliseu, em memória das vítimas do "Charlie Hebdo"

A França tem uma relação especial com o islamismo, devido a sua história colonial, sobretudo na Argélia. Que papel essa relação representa hoje?

A Argélia foi um departamento da França. Daí nasceu uma relação de amor e ódio – além de uma grande proximidade cultural, é claro. Isso ainda vigora, embora o francês não seja mais o idioma oficial da Argélia, e o país não pertença mais ao círculo dos países francófonos, portanto. No entanto, o francês continua sendo falado por amplos setores da população.

Mas a relação especial também faz com que, entre os muçulmanos, os argelinos sejam os mais bem integrados na sociedade francesa. Há muitos matrimônios franco-argelinos, muitos franceses de origem argelina conseguiram galgar até a elite, tanto social como política. Alguns deles ocupam os mais altos escalões do serviço público.

Também na classe média, os imigrantes da Argélia estão bem estabelecidos. Há jornalistas, professores que fugiram do fundamentalismo islâmico em sua pátria. Esse sucesso provoca inveja e ódio em muitos franceses, que por isso discriminam esses imigrantes.

Como reage a comunidade muçulmana na França?

Naturalmente não se pode falar de uma única sociedade muçulmana da França. Ela é muito heterogênea. Há muçulmanos praticantes e não praticantes; uma boa parte se identifica também com o laicismo francês. Além disso, os imigrantes islâmicos vieram em ondas sucessivas, isso também naturalmente se reflete na comunidade islâmica.

Na Europa, a França é o principal porto de chegada para os migrantes muçulmanos. No momento, 6 milhões de muçulmanos vivem no país: primeiro vieram os argelinos, depois os marroquinos, mais tarde também os turcos. Aqui vive também gente da África Meridional e do Oriente Médio. Todos eles contribuem para que a comunidade islâmica seja muito heterogênea.

Há muitas tentativas diversas de se definir como muçulmano e como cidadão francês. Além disso, muitos sofrem rejeição e exclusão, muitos se remontam à identidade islâmica, por não terem encontrado o próprio lugar na sociedade francesa. Alguns têm, ainda, a impressão de que a França não quer lhes conceder esse lugar.

Mas tais muçulmanos são, antes, a exceção: terroristas e fundamentalistas são uma minoria ínfima. Um pouco mais da metade dos islâmicos que vivem no país já possui a cidadania francesa: a maioria absoluta deles pratica um islamismo bem moderado e não se encaixa, em absoluto, ao estereótipo que alguns grupos tentam fazer deles, na esfera pública.

Leia mais