Maioria dos jovens europeus defende UE | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 21.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Maioria dos jovens europeus defende UE

Apesar de crise econômica, afluxo de refugiados e crescente nacionalismo, pesquisa aponta que maior parte da população jovem do continente é a favor da União Europeia. Oportunidade de viver em outros países é destaque.

Protesto a favor da UE em Munique

Em protesto em Munique, jovem segura cartaz com a palavra Freunde ("Amigos", em alemão) e a sigla da UE em alemão

Crise financeira e econômica, Brexit, afluxo de refugiados e manifestações antieuropeias e nacionalistas em diferentes partes da Europa ameaçam o ideal da União Europeia (UE). Apesar desse cenário, a maioria dos jovens na Europa Central e Oriental defende o bloco, aponta pesquisa divulgada nesta terça-feira (21/03).

De acordo com o estudo, encomendado pela Fundação Bertelsmann, da Alemanha, uma clara maioria dos jovens europeus de 15 a 24 anos na Alemanha (87%), Hungria (79%), Áustria (77%), Polônia (76%), República Tcheca (73%) e Eslováquia (70%) considera positivo fazer parte da União Europeia.

Apenas uma pequena parcela dos jovens entrevistados afirmou simpatizar com a saída de seus países de origem do bloco europeu. Dependendo do país, entre 60% e 70% dos jovens esperam que a UE evolua e que seja submetida a reformas políticas e econômicas.

Segundo os jovens consultados, a principal conquista do bloco europeu é a paz entre seus membros. Em seguida, foram listadas as oportunidades de estudar e trabalhar em outros países europeus.

Para a maioria dos entrevistados, o fundamentalismo islâmico e o terrorismo são hoje o maior problema na UE – seguido pela imigração e a questão dos refugiados. Em terceira posição na lista de preocupações, aparecem as mudanças climáticas e seus decorrentes desastres naturais.

Também temas como desemprego e o abismo entre ricos e pobres inquietam os jovens na Europa Central e Oriental. Além disso, muitos identificam o crescente nacionalismo e a xenofobia nas sociedades europeias como algo ameaçador – na Alemanha são 60% dos jovens.

O estudo foi conduzido pela Fundação Bertelsmann em cooperação com instituições em outros países, entre 30 de janeiro e 13 de fevereiro. Cerca de três mil jovens foram entrevistados. 

PV/dpa/epd/ots

Leia mais