1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Maioria dos alemães quer fim da taxa para reconstrução do Leste

Pesquisa aponta que 67% dos alemães querem fim da taxa para reconstrução do Leste do país. Enquanto BDI sugere acabar com Pacto de Solidariedade, governo lembra que prioridade é sanear finanças públicas até 2011.

default

Thumann, presidente do BDI, sugeriu fim do Pacto de Solidariedade

Uma pesquisa do Instituto Forsa feita para o jornal Bild am Sonntag revelou que uma média de 67% dos alemães (72% no oeste do país e 47% nos estados da antiga Alemanha Oriental) querem o fim do Pacto de Solidariedade, um imposto descontado na folha de pagamento, cujo objetivo inicial era financiar a reunificação alemã.

A divulgação da pesquisa, no final de semana, gerou uma nova polêmica sobre o assunto. O presidente da Confederação da Indústria Alemã (BDI), Jürgen Thumann, apelou para o fim do imposto, introduzido em março de 1993.

"Não é a reconstrução do Leste que deve acabar, mas o Pacto de Solidariedade, pois grande parte dele é usada para tapar buracos no orçamento público", disse Thumann ao jornal Bild.

Intenção inicial era de vigência limitada

O perito em Finanças da União Social Cristã (CSU), Hans Michelbach, defendeu uma redução da contribuição. "Isto ajudaria a aumentar o poder de compra da população", acrescentou. O Ministério alemão das Finanças rejeita as reivindicações, argumentando que o debate é supérfluo.

O líder da bancada conservadora no Parlamento, Volker Kauder, defendeu uma revisão do impoto em entrevista ao jornal Bild. "Dependendo do resultado da averiguação, eventualmente haverá correções", disse.

O presidente da Associação dos Contribuintes Alemães, Karl Heinz Däke, considera inconstitucional a cobrança obrigatória. Ele alega que, quando foi instituído, era consenso que o Pacto existiria por um prazo limitado.

Ao mesmo tempo, criticou que o governo arrecada mais do que realmente precisa para a reconstrução do Leste Alemão. Segundo a associação, até 2019, este superávit atingirá 30 bilhões de euros.

Berlim quer equilibrar orçamento público

Segundo o porta-voz do governo alemão,Thomas Steg, a mais alta prioridade de Berlim é o saneamento das finanças públicas para que se possa obter um orçamento equilibrado em 2011. Também o porta-voz do Ministério das Finanças, Torsten Albig, descartou o fim do Pacto de Solidariedade, alegando que "o governo já deixou claro várias vezes que durante a atual legislatura não há possibilidade de reduzir impostos". (rw)

Leia mais