1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

"Maiores vítimas são os argentinos", diz mediador judicial

Representante da Justiça de Nova York que mediou reunião entre Argentina e credores afirma que todos saem perdendo com a falta de um consenso, mas que principal prejudicado será o povo.

O advogado Daniel Pollack, mediador da negociação entre Buenos Aires e fundos de investimento em Nova York, afirmou nesta quarta-feira (30/07) que a principal vítima do

não pagamento da dívida

será o povo argentino.

"Nao é o meu papel ou minha intenção atribuir a culpa a qualquer lado. Eu continuarei a estar disponível para as partes para ajudá-las a chegar a uma solução”, disse Pollack em comunicado. “Não se pode permitir que o default [calote] se transforme numa condição permanente, ou a Argentina e os credores, tanto da dívida renegociada como os holdouts, vão sofrer danos dolorosos, e o cidadão argentino será a vítima real e definitiva."

Segundo Pollack, todas as partes saíram perdendo com o impasse. Os fundos holdouts (chamados de "abutres" pela Casa Rosa), que não aceitaram as propostas de reestruturação da dívida, ainda detêm títulos da dívida antiga (anterior ao calote de 2001) e ficam sem perspectiva de receber.

Os fundos que aceitaram renegociar a dívida, mas que ficaram sem receber suas parcelas por conta do bloqueio judicial. E a economia argentina, já que, por mais que o calote deste ano não seja tão impactante como o de 2002, se encontra em recessão e terá ainda mais dificuldades para conseguir investimentos estrangeiros.

"Uma suspensão dos pagamentos não é uma simples questão técnica, mas um fato real e doloroso que prejudicará gente de carne osso: os argentinos", afirmou Pollack.

O mediador ressaltou que, durante as negociações, ficou claro que todas as partes estariam obrigadas a respeitar as leis americanas: "Os tribunais do país decidiram que a Argentina não poderia fazer os pagamentos legalmente a credores com dívida reestruturada se, ao mesmo tempo, não pagasse os fundos especulativos [abutres]."

Segundo Pollack, não é possível prever todas as consequências do calote, mas "certamente elas não são positivas."

RPR/ dpa/ afp

Leia mais