Maiores economias do mundo apostam na desvalorização de suas moedas | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 14.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Maiores economias do mundo apostam na desvalorização de suas moedas

Já se fala em "guerra cambial". China não permite que seu yuan se valorize e Brasil duplicou alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras. Enquanto isso, Banco Central Europeu não cede à pressão.

default

Cotação do yuan é a mais alta em cinco anos

Quando são pagas com uma moeda fraca, as mercadorias provenientes de um país com moeda forte tornam-se muito caras, aumentando o risco de não se encontrar um comprador. Esse aspecto do comércio internacional domina, no momento, principalmente o mercado de divisas. E, por esse motivo, teve início uma corrida pela desvalorização cambial entre diversas grandes economias.

Os métodos são variados. A China não desvaloriza sua moeda, mas também não permite que ela se fortaleça. Essa é uma decisão política. A cotação do yuan sobretudo em relação ao dólar é assunto de governo. Os chineses mantêm um regime cambial fixo ante a moeda norte-americana.

Para fomentar suas exportações, Pequim mantém a cotação do yuan 20% a 30% abaixo do seu real valor de mercado. As mercadorias chinesas são tão baratas, que os produtores norte-americanos não podem competir. Os Estados Unidos, por sua vez, respondem com uma política de enfraquecimento da moeda.

Brasil em jogo

Seu método não é a política cambial, mas a política monetária. No entanto, ao imprimir dinheiro ininterruptamente, o Banco Central norte-americano faz com que o dólar se desvalorize. E os muitos dólares que o Fed coloca no sistema financeiro têm que ser aplicados em algum lugar.

Os investidores com dólares passaram a aplicar, por exemplo, no Brasil. Para tal, tinham que trocar seus dólares por reais. Ao comprarem a moeda brasileira, provocaram uma valorização do real.

Para conter esta alta, o governo brasileiro taxou os investimentos estrangeiros no país e, mais recentemente, duplicou a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) – esse também é um método de pressionar a cotação de uma moeda.

No resto do mundo

A intervenção no mercado de divisas é o método clássico para o controle cambial, ou seja, o Banco Central de um determinado país vende a própria moeda para baixar a cotação.

As moedas da Suíça e do Japão estavam tão fortes, que ambos os países foram obrigados a lançar mais francos suíços e ienes japoneses no mercado, para não ameaçar suas exportações.

O Japão, além disso, cortou sua taxa básica de juros, que já era baixa, para zero. O peso argentino e o won coreano também estão depreciados. Em todos os lugares, os bancos centrais intervêm para controlar a valorização das moedas locais.

"Guerra cambial"

Jean-Claude Trichet, Präsident der Europäischen Zentralbank EZB

Jean-Claude Trichet, presidente do Banco Central Europeu

Foi o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que usou pela primeira vez a expressão que agora está em todas as bocas: "guerra cambial". No mundo todo, políticos e bancos centrais temem que aconteça um cenário semelhante à crise econômica dos anos 1930. Na época, em consequência da Grande Depressão, cada país começou a agir por conta própria, o que resultou em um caos cambial e o comércio internacional entrou em colapso.

Por esse motivo, os EUA anunciaram que não irão relaxar no conflito cambial com a China e tentarão aumentar a pressão sobre Pequim. O tema dominou a reunião dos ministros das Finanças e chefes dos bancos centrais de todo o mundo, presentes ao encontro do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, na última semana em Washington.

A reunião acabou sem perspectiva, a curto prazo, de arrefecimento do conflito em torno das cotações controladas artificialmente. No início desta semana, todavia, a moeda chinesa atingiu a maior cotação desde o começo da reforma cambial do yuan, há mais de cinco anos. Segundo o governo norte-americano, tem-se a impressão que a China reagiu à pressão exercida durante o encontro em Washington.

Banco Central Europeu

O Banco Central Europeu (BCE), por sua vez, se encontra em uma situação difícil. Há uma semana, o BCE anunciou manter a taxa básica de juros da zona do euro em 1%. Na verdade, as autoridades financeiras europeias teriam preferido aumentar paulatinamente a taxa de juros, mantendo assim a estabilidade da moeda e controlando a inflação, que já se dirige para 2% ao ano.

Isso tornaria o euro mais caro. Os políticos e empresários europeus querem, todavia, um euro mais barato, o que aqueceria a conjuntura e tornaria as mercadorias europeias mais baratas no exterior. O BCE, no entanto, não cede à pressão.

Recentemente, o presidente do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, declarou que "mais do que nunca, acredito que as taxas cambiais devam refletir as bases da economia. O excesso na volatilidade das taxas cambiais tem um impacto nocivo para a estabilidade econômica e financeira".

CA/dpa/dw

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais