1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Maior já registrado, surto de ebola na África causa preocupação internacional

Com mais de 460 mortos, epidemia atual é a maior e mais mortal de todos os tempos, alerta OMS. Governos da região buscam solução para surto da doença, e especialistas pressionam pelo uso de medicamentos em fase de teste.

Mais de 750 casos de ebola – 467 deles fatais – já foram registrados na África Ocidental, fazendo do surto atual o maior e mais mortal da doença, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Nesta quarta-feira e quinta-feira (03/07) ministros da Saúde e representantes de 11 países africanos reúnem-se na cidade de Acra, em Gana, para discutir a epidemia.

“O atual surto de ebola é o maior já registrado em termos de número de casos, mortes e disseminação geográfica, e, pela primeira vez, o vírus está circulando em ambas as áreas, rural e urbana”, afirma Luís Gomes Sambo, diretor da OMS para a África.

O primeiro caso conhecido de ebola foi registrado em 1976. O surto atual, iniciado em fevereiro, já causou mortes em Guiné, na Líberia e em Serra Leoa.

De acordo com Sambo, a propagação da doença está associada a algumas práticas culturais e crenças populares, tais como tradições de sepultamento que envolvem a limpeza manual dos cadáveres, que as autoridade estão tentando impedir. Também há uma forte desconfiança em relação à medicina ocidental.

"Na Libéria, nosso maior desafio é a negação, o medo e o pânico", disse Bernice Dahn, vice-ministra da Saúde do país, durante o encontro em Gana. "As pessoas têm medo, mas não acreditam que a doença exista. Por isso, ficam doentes, e os membros da comunidade as escondem e as enterram, contra todas as normas que decretamos."

Em Serra Leoa, dezenas de infectados também evitam o tratamento, dificultando a identificação dos casos da doença.

Outro problema é a falta de recursos. Abubakarr Fofanah, vice-ministro da Saúde de Serra Leoa – que tem um dos piores sistemas de saúde do mundo –, disse que faltam verbas para medicamentos, equipamentos de proteção básica e remuneração de funcionários.

Serra Leoa anunciou nesta quarta-feira que o presidente do país, Ernest Bai Koroma, seu vice e todos os ministros doariam metade de seus salários para ajudar a combater a epidemia. O valor total das doações não foi revelado.

Symbolbild Ebola

Falta de recursos e resistência ao tratamento por parte da população dificultam trabalho de agentes de saúde

Novos medicamentos

Diante do quadro, especialistas da área da saúde aumentaram a pressão pelo uso de medicamentos contra o vírus que ainda estão em fase de testes. Normalmente, tais substâncias só entram no mercado após vários anos de experimentação em laboratório, passando por testes em animais e por pelo menos três grandes séries de testes clínicos em humanos.

Para o infectologista Jeremy Farrar, professor de Medicina Tropical e diretor da Fundação The Wellcome Trust, em Londres, a gravidade da situação exige uma mudança por parte das autoridades de saúde. "É ridículo que não tiremos esses produtos dos laboratórios e dos testes em animais para que sejam testados em humanos e oferecidos às pessoas."

Até agora, tudo que se tem oferecido aos enfermos é um banho e "um bom enterro", diz Farrar. "Isso é simplesmente inaceitável.”

Ebola-Virus Guinea

Guiné, Libéria e Serra Leona, no oeste da África, foram atingidos pelo surto atual

Altamente contagiosa

Com uma taxa de mortalidade de 90%, o ebola provoca febres, vômitos, diarreias e hemorragias. Trata-se de uma doença viral altamente contagiosa, transmitida através do sangue e outros fluídos corporais.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) estima que a epidemia esteja fora de controle e pede que os governos da região reajam. Segundo a MSF, o vírus ebola está se espalhando pela África Ocidental com tamanha velocidade que não é mais possível que os agentes de saúde da instituição alcancem todos os focos da doença.

De acordo com especialistas em saúde, a prioridade precisa ser conter o ebola com medidas de controle básico de infecção, como vigiando a lavagem das mãos e a higiene e isolando pacientes infectados.

IP/dpa/rtr

Leia mais