1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Magnata da mídia nega doação ao partido de Helmut Kohl

Leo Kirch diz que só deu um milhão de marcos para ajudar o ex-chanceler federal alemão a ressarcir os prejuízos que causou ao seu partido. O resto seria calúnia.

default

Helmut Kohl numa de suas raras aparições no Parlamento como deputado federal

O magnata da mídia da Alemanha, Leo Kirch, negou que tenha feito doações anônimas ao partido do ex-chanceler federal Helmut Kohl, a União Democrata-Cristã (CDU). Com a exceção do conhecido donativo de um milhão de marcos (US$ 450,75 mil) ao político amigo, não houve contribuição financeira do grupo Kirch ao partido do ex-chefe de governo, disse o empresário hoje, em depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Parlamento, em Berlim, que apura se o governo do chanceler da unidade alemã tomou decisões influenciado por propinas e doações partidárias ilegais.

Leo Kirch desmentiu com isso o ex-auditor da CDU, Horst Weyrauch, uma das figuras-chave do escândalo que gerou a maior crise financeira e de popularidade da democracia-cristã alemã. A CPI dominada pela atual coalizão de governo social-democrata e verde anunciou que vai convocar o ex-chanceler para depor, sob juramento, em meados de dezembro. Kohl e Kirch se conhecem desde 1963 e o empresário colocou seu avião particular várias vezes à disposição do político amigo.

O ex-chefe de governo continua se recusando a revelar os nomes dos doadores de mais de dois milhões de marcos, que confessou ter depositado em contas secretas na Suíça. Por causa do escândalo, ele teve que renunciar à presidência de honra da CDU, da qual foi presidente de fato durante 25 anos, dos quais 16 anos acumulou o cargo de chanceler federal. Por causa do escândalo, o seu sucessor no partido, Wolfgang Schäuble, também renunciou.

Kohl recolheu doações junto a amigos empresários e proeminentes para ressarcir o seu partido do prejuízo financeiro que causara com as multas de mais de oito milhões de marcos aplicadas pelo Parlamento por causa das irregularidades financeiras praticadas durante sua gestão. O Ministério Público descobriu as maracutaias da cúpula democrata-cristã no lastro das investigações sobre propinas paga pelo lobista de armas, Karlheinz Schreiber, para facilitar no governo Kohl a autorização de um fornecimento de 36 unidades dos cobiçados tanques Fuchs à Arábia Saudita. Schreiber está foragido no Canadá.