1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Maduro fecha mais um trecho da fronteira

Presidente venezuelano ordena obstrução da divisa com a Colômbia no estado de Zulia, para conter contrabando. Líder se diz disposto a dialogar com homólogo Juan Manuel Santos e aceita mediação de Brasil e Argentina.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou, em reunião de gabinete transmitida pela televisão na noite desta segunda-feira (07/09), que ordenou o fechamento da fronteira com a Colômbia no estado de Zulia. O presidente também declarou estado de emergência em três cidades do mesmo estado e informou que enviou 3 mil soldados adicionais à região.

Trata-se da mais recente manobra do que Maduro classifica como repressão contra o contrabando de alimentos subsidiados da Venezuela para a Colômbia. O presidente venezuelano começou a fechar a divisa entre os dois países em meados de agosto, após três homens armados, não identificados, atacarem um posto de fronteira venezuelano, ferindo três militares e um civil.

Ao mesmo tempo, Maduro mostrou-se favorável ao diálogo com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos. "Aceitei a mediação do Brasil e da Argentina, que propuseram uma reunião em Manaus ou Buenos Aires", disse durante a reunião no Palácio Presidencial de Miraflorres.

O presidente venezuelano salientou que vários "irmãos", como os presidentes equatoriano, Rafael Correa, panamenho, Juan Carlos Varela, e uruguaio, Tabaré Vázques, se colocaram à disposição para ajudar nas negociações entre Caracas e Bogotá.

Dirigindo-se diretamente ao presidente colombiano, o líder venezuelano expressou o interesse completo na abertura do diálogo. "Aceitei de boa vontade falar com você. Se quiser, amanhã mesmo. Se você me chamar agora, quando terminar este programa, vamos nos ver amanhã a hora que você disser, onde você disser."

Maduro propôs um diálogo "respeitoso", à altura dos dois chefes de Estado, mas "sem condições" por parte da Colômbia. "Aqui, o único que pode estabelecer condições sou eu, porque vocês são os agressores."

Maduro fez o anúncio pouco depois de Santos aceitar a oferta do Uruguai de mediar a crise fronteiriça e facilitar o diálogo. O presidente venezuelano reiterou o pedido ao governo colombiano para que combata os paramilitares na fronteira e acabe com o contrabando.

Refugiados bem-vindos

Maduro também anunciou que seu país está pronto para receber refugiados da guerra na Síria. "Eu quero que 20 mil sírios, famílias sírias, venham à Venezuela e compartilhem esse país em paz", disse Maduro, destacando que a Venezuela já abriga uma "grande comunidade síria".

O líder venezuelano também reiterou seu apoio ao presidente sírio, Bashar al-Assad, o qual descreveu como "o único líder com autoridade na Síria". Isso apesar do fato de parte do território do país estar sob controle dos extremistas do "Estado Islâmico" (EI) e de outros grupos rebeldes.

MP/dw/efe/afp/ap

Leia mais