1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Maduro convoca conferência de paz, mas oposição rejeita participar

Após falar em mais de 50 mortos nos conflitos na Venezuela, presidente Nicolás Maduro oferece o diálogo, mas oposição rejeita afirmando que se trata de um simulacro.

Na esteira das manifestações que se espalharam por várias localidades da Venezuela, o presidente Nicolás Maduro procura agora se aproximar de diversos setores para tentar acalmar a onda de protestos contra o seu governo.

Na madrugada desta quinta-feira (27/02), Maduro anunciou a instalação de uma conferência nacional de paz, recebendo no palácio presidencial, em Caracas, representantes empresariais, artísticos, religiosos e da mídia, bem como políticos apoiadores do governo, a quem detalhou os principais pontos de discussão.

"Queremos convocar todo o país a um grande diálogo histórico, político, social, filosófico, de valores democráticos, de tolerância e respeito. Uma revolução está em curso na Venezuela e vai continuar seguindo por via democrática e constitucional. Somos gente de paz", afirmou Maduro.

Mas a aliança oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD), tachada de farsa por Maduro, recusou-se a participar da reunião, alertando que ela seria somente um simulacro de diálogo para acabar com os protestos contra o governo.

Há quase duas semanas, o país petrolífero vem sendo sacudido por choques violentos entre as forças de segurança e manifestantes oposicionistas, que saíram às ruas para protestar contra a insegurança, a escassez de produtos básicos e o aumento da inflação. Os protestos provocaram ao menos 13 mortos, mais de cem feridos e centenas de detenções.

Segundo o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa, ao menos 62 jornalistas foram vítimas de repressão por parte de organismos de segurança do Estado, de civis armados e de manifestantes.

Venezolanische Studenten protestieren gegen Maduros Politik in Berlin am 22.02.2014

Jovens protestam contra insegurança, escassez de produtos e inflação

Pontos da agenda

No discurso de instalação da conferência nacional de paz, Maduro elevou para mais de 50 o número de mortos. "Há 50 mortos vinculados direta ou indiretamente aos protestos. Não esperemos uma circunstância de comoção nacional para falar frente a frente. Temos que agir cedo, por isso esta conferência de paz." Na última segunda-feira, ele havia atribuído a morte de 30 pessoas a "ataques de coração e de asma" causados pelas barricadas montadas pelos opositores.

Na reunião no palácio presidencial, o governante venezuelano disse que não seria dramática a ausência de alguns setores, sem mencionar a MUD, e salientou o respeito à Constituição como o primeiro ponto de reunião. Como segundo ponto, propôs ainda o não à violência e o fim dos protestos em 14 municípios do país.

Como terceiro ponto de sua agenda, Maduro mencionou a defesa do país diante do intervencionismo internacional e destacou um pronunciamento do secretário de Estado John Kerry, afirmando que os EUA estariam preparados para normalizar as relações com a Venezuela.

Venezuela Opposition lehnt Angebot einer Friedenkonferenz ab

Governo fala em conspiração da oposição em prol de um golpe

Acusações de tortura e apelos do papa

Nesta quarta-feira, os EUA disseram que estão tentando melhorar suas relações com o governo venezuelano, afirmando, no entanto, que não ficarão de braços cruzados diante das falsas acusações de Caracas de que Washington estaria fomentando a violência. "Temos enfatizado que estamos tentando melhorar a relação, gostaríamos de ver uma mudança", disse Kerry, um dia após Washington ter expulsado três diplomatas venezuelanos do país.

Maduro disse que os protestos em Caracas e outras cidades do país são parte de uma conspiração "fascista" com a intenção de derrubá-lo do poder e afirmou que não renunciará. "Eu não vou renunciar a meus deveres e obrigações constitucionais de proteger o povo", disse Maduro na noite desta quarta-feira.

A oposição, por sua vez, denunciou a brutalidade desproporcional na repressão dos protestos por parte das forças de segurança e que grupos armados partidários do governo estariam atacando violentamente as manifestações. Os opositores denunciaram ainda que alguns detidos foram torturados.

Em sua audiência semanal, o papa Francisco se uniu às vozes que pedem o fim dos protestos violentos e o diálogo entre as partes conflitantes na Venezuela. "Desejo de todo coração que se cessem o mais cedo possível a violência e as hostilidades e que todo o povo venezuelano, começando pelos responsáveis políticos e institucionais, ajam em prol da reconciliação", disse o papa a milhares de pessoas na Praça de São Pedro, no Vaticano.

CA/dpa/lusa/rtr

Leia mais