1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Músicos brasileiros mostram do rap ao brega em festival latino em Berlim

Rapper Emicida, compositora Tulipa Ruiz, músico paraense Felipe Cordeiro, Ed Motta e outros nomes brasileiros mostram música de várias partes do país na primeira edição do festival BeLaSound de música latina.

No primeiro festival Berlin Latin Sound (BeLaSound), o Brasil tem presença forte com um repertório que vai do rap ao brega, passando por pop, rock e soul e desfila nomes consagrados, como Ed Motta, e menos conhecidos do grande público, como Odara Sol, que vive na capital alemã desde 2007.

Os músicos brasileiros deverão mostrar a diversidade do atual cenário musical do país num evento que se autodefine como "o maior festival cultural teuto-latino que jamais foi organizado na Alemanha", se concentra no "estilo de vida latino" e, além dos shows, tem oficinas de dança, capoeira e percussão.

"A mistura é a grande marca do Brasil. Sempre me interessei pela diversidade e pela nossa história musical. É natural que minha música seja uma mistura do passado e presente, mas apontando para o futuro", disse o músico paraense Felipe Cordeiro em entrevista à DW Brasil. Ele toma conta do palco do BeLaSound neste domingo (16/06).

Festival BeLaSound Odara Sol

A cantora Odara Sol já cantou ao lado de grandes nomes da cena alemã

Essa é a segunda vez que Cordeiro se apresenta em Berlim. No ano passado ele tocou no primeiro evento de tecnobrega da Alemanha, "no Worldtronics, que era mais voltado para a música eletrônica. No BeLaSound faço um show menos eletrônico", disse o paraense, antes do início do festival.

"O teatro me libertou para o palco, até então eu só queria ser compositor. Hoje interpreto minhas próprias músicas", afirmou Cordeiro. O show em Berlim é baseado no repertório de seu álbum Kitsch Pop Cult. "Estou com vontade de tocar novas músicas, talvez isso aconteça nesse show de Berlim", disse. O artista se considera a superação e a interação do pop, do cult e do brega. "Faço música pós-brega", explicou.

Clássicos e novidades

Nesta sexta-feira (14/06), o festival começa com a apresentação de Ed Motta, que mostra clássicos e músicas de seu novo disco, AOR. Outro destaque é a paulistana Odara Sol, que descobriu sua paixão pelo canto ainda menina, assistindo a uma apresentação da cantora norte-americana Whitney Houston na televisão. Em São Paulo, ela começou a cantar e compor, passando por diversos estilos como o rock, mas sempre voltando para o hip hop e a música urbana que embalava a periferia da cidade onde vivia.

Festival BeLaSound Marcelinho da Lua

O DJ Marcelinho da Lua: revolução com música brasileira e batidas eletrônicas

Com suas influências que vão do soul à música brasileira, passando por experimentações contemporâneas e em busca de novas experiências, ela trocou São Paulo por Berlim em 2007. Desde então, ela já se apresentou ao lado de conhecidos nomes da música alemã, como o rapper Samy Deluxe e Miss Platnum. No festival, Sol se apresenta ao lado de Johnny Strange, da banda berlinense de reggae e hip hop Culcha Candela, e deve mostrar algumas músicas de seu trabalho solo.

Em Berlim, o DJ e produtor carioca Marcelinho da Lua apresenta um set que mistura música brasileira com batidas eletrônicas. Depois de passar anos trabalhando como técnico de estúdio, Marcelinho ganhou destaque com a banda Bossacucanova. Desde os anos 1990, ele atua como DJ e foi um dos pioneiros na mistura do Drum and Bass com MPB. Seus dois discos como produtor, Tranquilo (2004) e Social (2007), contam com participações de grandes nomes da música brasileira como Seu Jorge, Martinho da Vila, Ed Lincoln e BNegão.

Rapper Emicida mescla samba a novo repertório

O rapper Emicida volta a Berlim no sábado (15/06). O show no BeLaSound faz parte parte da turnê europeia, que passar ainda por Heidelberg e Frankfurt, na Alemanha, e Zurique, na Suíça.

Emicida chegou a Berlim animado depois de três apresentações em Portugal, incluindo a abertura do show do rapper norte-americano Mos Def. "Foi legal não ter a barreira da língua. Tocamos em Braga e quase não tinha brasileiros na platéia, mas as pessoas conheciam as músicas. Tivemos uma ótima recepção", disse o rapper, em conversa com a DW Brasil.

Festival BeLaSound Felipe Cordeiro

Felipe Cordeiro considera sua músca pós-brega

"Quando estamos no palco com uma apresentação tão impactante quanto a nossa, não medimos se o público está curtindo quando estão todos com as mãos para cima. Em Portugal, o pessoal ficava prestando atenção nas músicas e quando elas acabavam, o público explodia. Eles entendem a parada", disse Emicida.

Em Portugal, ele pôde conhecer pessoalmente alguns dos rappers locais e entrar em um contato mais direto com o hip hop feito na África. "Fui muito reconhecido na rua pelos africanos. Eles falaram que eu tenho que descer urgente lá para Angola. Foi uma grande surpresa. É legal fazer uma análise de como o mesmo idioma se desenvolve em diferentes culturas. Isso me ajuda muito a crescer musicalmente."

Emicida apresenta músicas do primeiro disco oficial, já gravado e ainda sem nome, que deve ser lançado até o final do ano. A primeira amostra do novo trabalho, o vídeo da música Crisântemo, traz um Emicida sóbrio, fazendo uma mistura de samba e rap. "A música é um flerte com o samba de São Paulo. Eu me divirto e amo viver lá, mas não tem como fugir que São Paulo é a cidade cinza e tem esse lado sombrio. Essa foi a música mais tensa que eu fiz, mas o disco traz uma grande variedade. A escolha foi para mostrar que o disco vai ser realmente algo diferente", explicou.

Festival BeLaSound Emicida

Emicida mistura samba ao rap

Além de novas músicas, Emicida se apresenta com uma banda completa: percussão, violão, cavaco, guitarra e baixo. "Conseguimos imprimir um swing que eu sentia falta. Geralmente show de rap tende para o rock ou o jazz, eu queria que o meu entortasse para o samba. Me sinto mais à vontade cantando nessa cadência. A textura se mantém e o swing corre. O show está mais espontâneo e livre. Isso facilita a comunicação com a platéia", afirmou o paulistano.

Os artistas brasileiros dividem o palco do festival com os franceses Nouvelle Vague, os percussionistas do Les Tambours du Bronx e Louis Bertignac, conhecido como o Keith Richards (guitarrista dos Rolling Stones) francês. Alex Cuba, duas vezes vencedor do Grammy, mostra sua mistura de jazz latino e pop ao lado de uma das principais bandas de salsa da atualidade, os colombianos do Monsieur Periné.

O festival BeLaSound acontece no YAAM (mistura de bar e clube de praia), em Berlim, de 14 a 16 de junho.

Leia mais