1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mísseis atingem comboio de refugiados no leste da Ucrânia

Segundo Kiev, ataque a caravana de ônibus foi orquestrado por separatistas com armas fornecidas pela Rússia e deixou muitos civis mortos. Rebeldes negam autoria.

default

Campo de refugiados na região de Lugansk

Um comboio de refugiados foi atacado na manhã desta segunda-feira (18/08) enquanto atravessava uma área próxima à cidade de Lugansk, no leste da Ucrânia, disse um porta-voz do Exército do país. Segundo as Forças Armadas ucranianas, os mísseis que atingiram a caravana de ônibus foram lançados por forças pró-russas.

O local do ataque, entre as cidades de Khriatchchuvat e Novosvitlivka, vinha servindo de corredor humanitário, pelo qual mais de 1,8 mil pessoas fugiram de Lugansk nos últimos dias.

"Muitos civis foram mortos, incluindo mulheres e crianças", afirmou Andrei Lisenko, porta-voz do Conselho de Segurança e Defesa Nacional da Ucrânia, durante uma coletiva de imprensa em Kiev. Sem informar o número preciso de vítimas do incidente, Lisenko afirmou que os rebeldes dispararam mísseis e granadas de morteiro fornecidas pela Rússia. Os separatistas, no entanto, negam as acusações.

Um dos principais bastiões dos separatistas, Lugansk estaria completamente cercada por tropas ucranianas, de acordo com Lisenko. Ele afirmou que os separatistas iniciaram uma ofensiva depois que forças de Kiev retomaram Khriatchchuvat.

Com isso, os refugiados acabaram se encontrando em meio a um campo de guerra. Ainda segundo Lisenko, nove soldados ucranianos morreram em operações militares no leste do país nas últimas 24 horas. A região continua sob artilharia pesada, com as tropas do governo voltando a ocupar diversas áreas.

Os ataques ao comboio ocorreram poucas horas após o encerramento de um encontro entre os ministros do Exterior da Ucrânia, Rússia, França e Alemanha. Realizadas em Berlim, as conversas duraram cinco horas e acabaram sem acordo para colocar fim à violência na região. Moscou quer que as tropas ucranianas parem a ofensiva sobre os principais redutos separatistas, enquanto Kiev acusa o Kremlin de apoiar a insurgência.

Ajuda humanitária russa

Ostukraine Angriffe 1.8.2014

Lugansk e regiões próximas têm vivido intensas batalhas nos últimos dias

Lugansk é ainda destino de um comboio russo de ajuda humanitária que ficou dias retido na fronteira com a Ucrânia. Neste domingo, o governo ucraniano concluiu a inspeção dos veículos e confirmou que os 280 caminhões transportavam apenas alimentos, sacos de dormir e geradores de energia, e não equipamentos militares, como se suspeitava.

Os materiais de ajuda serão repassados à Cruz Vermelha, que ainda exige garantias de segurança confiáveis de todas as partes envolvidas no conflito na região para receber e transportar o conteúdo dos pela área em conflito. Os moradores de Lugansk que ainda resistem em suas casas enfrentam falta de energia e água há mais de duas semanas.

Iniciado em março deste ano, o conflito no leste da Ucrânia já fez mais de 2 mil mortos e cerca de 285 mil refugiados, segundo a ONU.

MSB/afp/ap/lusa

Leia mais