MÍDIA AMERICANA QUESTIONA SE DEU ATENÇÃO DEMAIS AO PASTOR RADICAL | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 18.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

MÍDIA AMERICANA QUESTIONA SE DEU ATENÇÃO DEMAIS AO PASTOR RADICAL

Atenção dada pela mídia ao pastor radical americano, ameaça da UE de punir a França e a questão do ingresso da Turquia na UE foram os temas que mais despertaram o interesse dos nossos leitores esta semana. Dê uma lida!

default

Parece que finalmente alguém se deu conta da idiotice que foi dar espaço a uma pessoa como esta. E não é só este caso. Muitas das coisas que são feitas têm como principal fator motivador a necessidade de a mídia transformar qualquer coisa em espetáculo.

Se aquele pastor não tivesse tantos holofotes, com certeza nem a totalidade de seus 50 seguidores tomaria conhecimento da palhaçada. E mais: em virtude do risco a que expôs os demais concidadãos, ele deveria ser processado por ameaça à segurança norte-americana.
Gladimir Guimarães Granada

Pois bem, Terry Jones conseguiu atrair a atenção internacional para si, que era mesmo o que ele queria. Não é a primeira vez que se tenta ou se ameaça queimar livros sagrados.

Em 1553, no dia 9 de setembro, o cardeal Caraffa, futuro papa Paulo 4°, ordena que seja queimado publicamente o Talmud, fato este ocorrido exatamente no primeiro dia do Rosh Hashaná (o Ano Novo judaico).

Todavia, ocorre com o Alcorão uma peculiaridade: ele é o sincretismo de duas religiões monoteístas, ou seja, o judaísmo e o catolicismo, de modo que sua queima por algum ensandecido ou fanático ofenderá não só a Torá, mas também a Bíblia.

Por fim, muito devemos ao Islã, especialmente em ocasiões nas quais nossos antepassados receberam asilo em terras mulçumanas.
Francisco Carlos Marrocos

Creio que a mídia americana começou a ponderar que o lucro com a venda de jornais em decorrência da veiculação de notícia sensacionalista será bem menor que o prejuízo às vendas causado pela reação à divulgação do fato em todo o mundo, com lançamento de algum ataque terrorista. Tristes capitalistas de visão curta.
Jorge

UE AMEAÇA PUNIR A FRANÇA POR DEPORTAÇÕES DE MIGRANTES ROMA
Essa de a França expulsar os ciganos é uma atitude vergonhosa e desumana. Um país de Primeiro Mundo fazer uma coisa bárbara dessas está parecendo um país governado por ignorantes. O respeito humano é cristão, e não abrimos mão disso.

Os ciganos são seres humanos como qualquer um de nós, merecem respeito e têm o direito de morar onde quiser. Quanto ao governo francês, o que dá a entender é que ele está querendo aparecer e ficar famoso com a desgraça desse pobre povo.
Mauricio Joffre da Silva

PARLAMENTO EUROPEU CONDENA DEPORTAÇÃO DE MIGRANTES ROMA PELA FRANÇA

Engraçado que na política um põe o bedelho na casa do outro. Se a França fez o que fez, por que ficar discutindo sobre isso? Sarkozy tem de cuidar da casa dele, como Angela Merkel tem de cuidar da Alemanha e assim por diante.

Mas os que criticam não buscam um meio de integrar os roma ou outras minorias à sociedade europeia.

Engraçado é que todo mundo sabe que a maioria dos imigrantes causa problema, mas, em vez de resolver os problemas de uma vez por todas, ficam jogando a sujeira pra debaixo dos tapetes e brincando de ser "politicamente correto".
C.Gestacker (Alemanha)

UE QUER A TURQUIA PRÓXIMA DA EUROPA, MAS ADESÃO SEGUE EM ABERTO

Por quanto tempo mais a União Europeia vai postergar o ingresso da Turquia? Mas esta tende a direcionar suas pretensões a outra via estratégica que parece mais realista e menos retórica: conquistar por si só e sem ajuda de seus parceiros do Oeste o status de potência que lhe é de direito.

Certamente, a oposição de algumas nações à aprovação da candidatura turca demonstra que a Europa ainda reluta em lidar com o mundo mulçumano de maneira digna, preferindo delegar aos turcos uma parceria de segunda categoria que lhes impõe exigências, mas, em troca, faz pouquíssimas concessões concretas.

É impossível pensar o futuro do bloco sem a integração da Turquia. A UE deve deixar de tratá-la como um Estado-tampão que preserva os europeus das questões explosivas no Oriente Médio. Do contrário, a paciência da república secular não irá esperar eternamente pela complacência de seus vizinhos ocidentais.
Vlademir Monteiro









Leia mais