1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Médicos Sem Fronteiras critica ajuda alemã na luta contra o ebola

Organização reclama de atrasos e falta de coordenação. Governo alemão admite demora, mas argumenta que toda a comunidade internacional avaliou mal a situação.

O presidente da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras na Alemanha, Tankred Stöbe, criticou a ajuda prestada pelo governo alemão aos países afetados pela epidemia de ebola. Em declarações ao jornal Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung, ele afirmou que a Alemanha ainda não prestou assistência médica própria na Libéria, Serra Leoa e Guiné.

Apesar de vários anúncios e promessas de recursos significativos, nenhum dos centros para tratamento de paciente com ebola é comandado pelos alemães, disse Stöbe. Segundo ele, o centro da tratamento da Cruz Vermelha alemã em Monróvia, capital da Libéria, ainda não está funcionando. E há apenas 16 funcionários alemães nos três países citados.

"Não foi fácil descobrir quando as promessas seriam cumpridas. Mas parece que agora estamos quase lá", declarou Stöbe, reclamando que a ajuda alemã veio muito tarde e descoordenada. "Após o terremoto no Haiti ou o tufão nas Filipinas, levou apenas horas ou dias para a ajuda internacional se mobilizar em massa. No caso do ebola, passaram-se meses", protestou.

Encarregado alemão desmente críticas

Walter Lindner, Diplomat, Ebola-Beauftragter der Bundesregierung

Walter Lindner, encarregado de ebola da Alemanha, admitiu reação tardia no combate ao surto na África

Numa conferência de peritos de organizações humanitárias realizada nesta segunda-feira (1º/12) em Berlim, o encarregado de ebola do governo alemão, Walter Lindner, rejeitou as críticas. Ele admitiu que a ajuda chegou tarde, mas reiterou que não apenas a Alemanha avaliou de forma equivocada a situação nos países afetados.

"Agora a Alemanha está ativa em todos os três países: Libéria, Serra Leoa e Guiné", afirmou. Lindner salientou ainda que, mesmo que a ajuda alemã nem sempre seja visível, ela desempenha um papel fundamental, por exemplo na ponte aérea para o Senegal. Ao todo, o governo alemão disponibilizou 108 milhões de euros para ajuda emergencial na luta contra o ebola.

Segundo os últimos números da Organização Mundial da Saúde (OMS), o número oficial de mortos de ebola subiu para 6.928 pessoas. Ao todo, foram registrados 16 mil casos de infecção.

PV/dpa/kna/epd/rtr

Leia mais