1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mãe de refém japonês do "Estado Islâmico" faz apelo a premiê

"Por favor, salvem a vida do meu filho", pede Junko Ishido. Após executar outro cidadão do Japão, grupo extremista ameaça matar jornalista Kenji Godo em 24 horas. Tóquio diz que não vai ceder ao terrorismo.

Junko Ishido, mãe do jornalista Kenji Goto, capturado em outubro último pelo grupo extremista "Estado Islâmico" (EI), fez um apelo ao primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, nesta quarta-feira (28/01), pedindo pela vida do filho.

"Por favor, salvem a vida de Kenji", disse Ishido, implorando ao primeiro-ministro para que coopere com o governo da Jordânia até o fim, na tentativa de salvar o jornalista.

Segundo a mãe do refém japonês, ela decidiu ler o apelo diante da imprensa após tanto Abe quanto o porta-voz do governo em Tóquio terem recusado um encontro com ela, alegando estarem com a agenda cheia.

Os esforços para libertar Goto e o piloto jordaniano Muath al-Kasaesbeh ganharam urgência após o "Estado Islâmico" ter divulgado, em vídeo, um suposto ultimato nesta terça-feira.

Na mensagem, os extremistas disseram que os dois reféns serão mortos num prazo de 24 horas – final da noite desta quarta-feira, na hora do Japão – se o governo da Jordânia não libertar Sajida al-Rishawi, uma mulher iraquiana condenada à morte pelo envolvimento num ataque terrorista a um hotel em 2005, que matou 60 pessoas.

Outro refém japonês,

Haruna Yukawa, foi morto pelo EI no último fim de semana

. Os jihadistas haviam dado um prazo de 72 horas para que o governo japonês pagasse um resgate de 200 milhões de dólares pela libertação dos dois japoneses.

Negociações indiretas

Perguntado sobre o novo vídeo, um porta-voz do governo japonês afirmou que não há razão para duvidar de sua autenticidade. "Acredito que o governo jordaniano vá dar sua própria resposta", disse o porta-voz.

Na Jordânia, o pai do piloto sequestrado também apelou ao governo para "atender às exigências" do "Estado Islâmico". Um parlamentar jordaniano declarou que seu país estaria em negociações indiretas com os milicianos para assegurar a libertação dos reféns.

Bassam al-Manasseer, presidente da comissão parlamentar de relações internacionais da Jordânia, disse que as negociações estariam se desenrolando com a intermediação de líderes religiosos e tribais no Iraque. Ele acrescentou que a Jordânia e o Japão não vão negociar diretamente com o EI e que seu país não vai libertar a iraquiana al-Rishawi em troca da vida de Goto.

Por sua vez, o primeiro-ministro japonês disse considerar "desprezível" o vídeo divulgado nesta terça-feira e pediu que a Jordânia coopere para a libertação de Goto. Abe afirmou ainda que seu país não vai ceder ao terrorismo.

CA/ap/rtr

Leia mais