1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Márcia Haydée no encalço de Maria Callas

Na comemoração dos 65 anos de Márcia Haydée, o Theaterhaus de Stuttgart homenageou a bailarina com o documentário biográfico "M de Márcia" e a estréia do seu novo espetáculo com o coreógrafo Ismael Ivo, "M de Callas".

default

Márcia Haydée e Ismael Ivo na nova coreografia

Em meio a incontáveis vestidos, pares de sapatos e telefones, lembranças de uma carreira gloriosa, uma estrela da dança tenta imaginar – através de seus movimentos – o drama de uma diva durante suas duas últimas semanas de vida. Reclusa em seu apartamento, longe do olhar dos espectadores, Callas (Haydée) é obrigada a deixar de lado todas as máscaras e a confrontar-se com sua imagem no espelho, relutando – de início – contra a Morte (Ivo), à qual finalmente acaba se entregando.

Com o novo espetáculo M de Callas, a ex- prima ballerina e ex-diretora do Balé de Stuttgart mostra como pretende lidar com a idade em sua profissão: antes desp(ed)ir-se da imagem de bailarina perfeita do que abandonar o palco. Para quem contracenou com Nureiev e Barishnikov, falar de carreira, aos 65 anos, significa falar de decadência. No entanto, Márcia não encara seus novos trabalhos exatamente como um desenvolvimento de sua carreira, mas sim como um presente, o presente de poder estar em palco, diante do público.

"O que sou hoje"

"Muitos preferem guardar a imagem do que eu fui. Não querem enxergar o que sou hoje. Tudo bem. Mas essas pessoas também não precisam vir ao teatro para me ver, pois eu não pretendo continuar sendo o que era." Longe de identificar-se com o papel da diva decadente de "Crepúsculo dos Deuses", a bailarina – projetada internacionalmente na década de 60 pelo coreógrafo John Cranko, diretor do Balé de Stuttgart, do qual também ela foi diretora de 1976 a 1996 – está disposta a abrir novos espaços de atuação e continuar cultivando sua vitalidade através da ioga, que pratica desde os 19 anos.

Para Márcia, que assume depender profissionalmente da cooperação com um coreógrafo, a parceria com Ismael Ivo veio a calhar. "Eu e o Ismael temos uma ligação que dispensa palavras. A gente sempre sabe o que o outro quer, mesmo sem falar", descreve Márcia o trabalho com o coreógrafo com o qual montou a peça Tristão e Isolda (Stuttgart, Theaterhaus, 1999). "Conseguimos chegar a uma mistura interessante entre o balé clássico, o teatro-dança e a dança africana."

A "Callas" da dança

Márcia Haydée parece ter encontrado no teatro-dança o solo adequado para desenvolver seu potencial de atriz, uma qualidade que a leva a identificar-se com Maria Callas: "Logo no começo da minha carreira, os críticos já me chamavam de 'a Callas da dança'. Há muitas ligações entre o jeito de ela cantar e o meu jeito de dançar." Callas, uma atriz entre as cantoras, e Haydée, a atriz entre as bailarinas. Sua cooperação com Ismael Ivo e o Theaterhaus de Stuttgart tem grandes chances de culminar na criação de uma nova companhia de teatro-dança na Alemanha.

Este não é, no entanto, o único plano da bailarina. O Brasil – país do qual Márcia Haydée Salaverry Pereira da Silva nunca chegou a sentir saudade, por se sentir completamente realizada como bailarina em Stuttgart – poderá vir a fazer parte dos seus planos. Junto com seu marido, o professor de ioga Günter Schöberl, Márcia pretende criar um centro de ioga, meditação e dança, talvez no Brasil.

Leia mais