1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Luto por piloto assassinado une jordanianos contra EI

Desde a divulgação do vídeo mostrando a morte de Muath al-Kasaesbeh, cresce o apoio ao rei Abdullah 2º e à ofensiva aérea contra os jihadistas no Iraque e na Síria. Porém, radicais também têm apoio dentro da Jordânia.

A grande bandeira da Jordânia sobre Amã se encontra a meio mastro. O país está de luto pelo piloto Muath al-Kasaesbeh, queimado vivo pelas milícias terroristas do "Estado Islâmico" (EI). O estandarte é bem visível a partir da rua Al-Rainbow, num movimentado bairro da capital. Ao meio-dia, jovens se reúnem para um café, aproveitando o sol morno do inverno.

Embora o terrorismo do EI pareça estar bem longe, também ali se fazem considerações a respeito. A estudante Oraib Majali comenta que aquilo que, na realidade, não era uma guerra dos jordanianos, agora também se tornou um problema deles.

Muhammed Qtoush, que estuda no Egito, se preocupa com a possibilidade de a Jordânia ser cada vez mais envolvida na guerra nos vizinhos Iraque e Síria. "A resposta adequada seria todos os países árabes trabalharem juntos, não só a Jordânia. Todos deveriam fazer algo contra o EI", exorta o estudante.

"Guerra impiedosa"

A partir do assassinato do piloto, a guerra e o caos político nos países vizinhos ficaram bem mais próximos para os jordanianos. O vídeo que durante 22 minutos mostra a incineração do jovem de 26 anos está marcado na memória nacional.

Jordanien - Pilot Muas al-Kasasba

São fortes indícios de que Muath al-Kasaesbeh estaria morto desde janeiro

Após a divulgação das imagens, o rei Abdullah 2º declarou "guerra impiedosa" contra o EI, conclamando o povo a se unir. Desde então, respaldada pelo parceiro de aliança Estados Unidos, a Força Aérea nacional realiza ofensivas cada vez mais intensas. Ocasionalmente caças jordanianos sobrevoam a normalmente pacata capital.

O EI alega que durante um "ataque de retaliação" a seus postos próximos à cidade síria de Rakka, na sexta-feira (06/02), também teria sido morta uma voluntária americana da ajuda humanitária, mantida como refém desde agosto pelos jihadistas. Segundo observadores, com tais notícias os terroristas possivelmente visam dividir a aliança liderada pelos EUA.

Para o especialista em segurança Amer al-Sabaileh, contudo, importante é que a crueldade com que Kasaesbeh foi assassinato "dá mais liberdade à Jordânia para investir contra o EI". Afinal, afirma o reino se encontra bem "no meio de todos os conflitos, cercado pela Síria, o Iraque e o Sinai".

Apoio amplo

A Jordânia é um dos quatro países árabes que investem contra o EI desde setembro de 2014, ao lado de Barein, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Até a derrubada do caça pilotado por Kasaesbeh, em dezembro, Amã se mostrava reticente quanto a uma participação militar na aliança, assim como muitos cidadãos jordanianos.

A situação mudou com a divulgação, na última terça-feira, do vídeo mostrando como o piloto foi queimado vivo – provavelmente já no início de janeiro. Agora, os ataques aéreos contam com o amplo apoio não só da população, como de instâncias como a Irmandade Muçulmana jordaniana.

Vozes críticas como a do "ativista de esquerda" Mothana Ghariabeh, são, antes, exceção. "Compreendo que as pessoas estão muito furiosas e emocionais, mas nunca se deve agir apenas movido por um pensamento de vingança." Em sua opinião, a reação "deve ser mais diferenciada e também considerar os problemas do país".

Ghariabeh desejaria uma coalizão mais ampla dos países árabes contra o "Estado Islâmico". Pois uma aliança liderada apenas pelos EUA acima de tudo forneceria argumentos àqueles que acusam o Ocidente de estar simplesmente querendo impor a própria agenda.

Jordanien Demonstration in Amman

Assassinato de piloto aproximou avanço do EI de jordanianos

Simpatia pelos extremistas

A expectativa de alguns observadores militares como Amer al-Sabaileh é que a Jordânia vá intensificar as ofensivas aéreas contra o EI. Ele adverte os jordanianos, porém, que "este não é um conflito que acabará em um mês".

"Afinal de contas, não se trata apenas de uma intervenção militar, mas sim do combate a uma ideologia que está igualmente ancorada na nossa sociedade", recorda o especialista em segurança.

De fato, também nos meios salafistas jihadistas da Jordânia encontram-se apoiadores do EI. Uma enquete do Center for Strategic Studies de Amã, em setembro de 2014, revelou que 10% da população guardam simpatia pelos terroristas islâmicos. Por outro lado, 80% disseram considerar a milícia fundamentalista como a maior ameaça à estabilidade do país.

Jordanien Amman Königin Rania Demonstration vs IS

Rainha Rania da Jordânia: "Nós todos somos Muath"

Estima-se que haja 2 mil jordanianos lutando pelo EI na Síria e no Iraque: eles comporiam, assim, o terceiro maior grupo depois dos sauditas e dos tunisianos. Nos últimos meses as forças de segurança nacionais prenderam dezenas de pessoas por expressar simpatia pelo EI nas redes sociais. Observadores também temem que a luta contra o terrorismo venha a mascarar os problemas internos e abafar os projetos de reforma no país.

Enquanto isso, o piloto assassinado pelos jihadistas é celebrado como herói nacional e um bastião da unidade da Jordânia. Após as preces da sexta-feira, milhares se reuniram no centro de Amã para uma das maiores passeatas dos últimos anos. "Nós todos somos Muath" e "Vida longa ao rei Abdullah" eram algumas de suas palavras de ordem.

Leia mais