Luta contra HIV requer nova forma de lidar com dependentes, diz Declaração de Viena | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 21.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Luta contra HIV requer nova forma de lidar com dependentes, diz Declaração de Viena

Redução de riscos é a ideia principal da Declaração de Viena: se os usuários de drogas não receberem atenção devida, o HIV se espalha mais rapidamente. Já ha programas voltados a esse público que dão bons resultados.

default

Centro de troca de agulhas em Viena

O Centro de Medicina Social e Aconselhamento de Ganslwirt, em Viena, é também um ponto de troca de seringas para usuários de drogas injetáveis. Stefan, de 20 anos, frequenta o local: ele deixa as agulhas usadas e recebe novas.

"É muito importante para mim ter essa possibilidade de trocar as seringas aqui. Caso contrário, eu teria que pedir aos meus amigos para usar as deles, o que seria perigoso", declara Stefan.

A troca de seringas e tratamentos como a terapia de substituição de opióides fazem parte da estratégia conhecida como redução de danos. Nas últimas décadas, essas táticas se tornaram centrais em muitos governos, que visam combater a transmissão do HIV através do uso de drogas intravenosas.

Mas, em outras regiões fora do Ocidente, o quadro é diferente. "Nesse momento, quase um terço de todas as infecções de HIV fora da região subsaariana africana está associada com o compartilhamento dos equipamentos usados para injetar drogas. E isso leva à transmissão sexual dos usuários de drogas para a população geral", afirma o professor de Epidemiologia Don Des Jarlais, diretor do Instituto de Dependência Química Baron Edmond de Rothschild, em Nova York.

Declaração de Viena

Des Jarlais participou do comitê que redigiu a Declaração de Viena, apresentada na conferência global sobre HIV/aids na capital austríaca. O documento tem duas páginas e foi escrito juntamente com outros 30 cientistas renomados e especialistas no assunto de todo o mundo.

A principal exigência da declaração é que os governos promovam uma reforma na maneira como lidam com o tema: que façam a transição de uma política que considera o usuário de drogas como um criminoso para uma política que o veja como paciente.

Para Des Jalais e seus colegas, essa mudança ajudaria os países ocidentais a obter uma maior estabilização dos índices de infecção de HIV, além de auxiliar os países do leste europeu, Rússia e Ásia Central a frear a crescente epidemia da doença entre os usuários de drogas.

Na Rússia, estima-se em 1,6 milhão de usuários de drogas intravenosas, segundo dados das Nações Unidas – 37% deles podem ser soropositivos. Eles correspondem a 80% dos casos de HIV na Rússia, e esse quadro se repete no leste europeu e Ásia Central.

Os responsáveis pela Declaração de Viena e outros especialistas atribuem essas estatísticas ao que chamam de leis draconianas que lidam com a temática e vigoram na região.

"As pessoas têm medo de usar os serviços de saúde. Elas têm medo de ir ao hospital porque não querem correr o risco de serem presas pela polícia, ou de sofrerem abusos policiais", avalia Anya Sarang, presidente da Fundação Andrey Ryklov para Saúde e Justiça Social. "Nesse clima de medo, terror e risco, será impossível alcançar um nível muito alto de atividades no tratamento do HIV ou de programas de prevenção."

Drogas e prisões

Nos Estados Unidos, o governo anunciou na semana passada uma nova estratégia na luta contra o HIV, com o objetivo de reduzir as infecções em 25% nos próximos cinco anos. Para Ethan Nadelmann, diretor executivo do grupo pró-reforma Drugs Policy Alliance, a atitude trará dinheiro federal para serviços de redução de danos já existentes no país e que são custeados por governos estaduais.

Apesar de a nova estratégia ser avaliada positivamente, ela ainda é amena diante do alto índice de prisões de usuários de drogas, completa Nadelmann. Ele diz que, nos Estados Unidos, a guerra contra as drogas confronta-se diretamente com a guerra contra a aids.

"Os Estados Unidos concentram menos do que 5% da população mundial, mas quase 25% da população carcerária. Nós passamos de 50 mil pessoas atrás das grades por crime relacionado às drogas em 1980, a meio milhão nos dias atuais, quase dez vezes mais", comenta Nadelmann.

O número de pessoas presas por violarem as leis antidrogas nos Estados Unidos é maior do que todas as prisões feitas nos países do leste europeu – e essa região tem 100 milhões de residentes a mais que os Estados Unidos, compara Nadelmann.

Troca de experiências

Apesar de os países no leste da Europa estarem relativamente mais avançados do que os Estados Unidos no tangente à legislação, que passou a se orientar mais na saúde pública, a região carece de reformas na área de redução de danos.

Algumas técnicas e tratamentos, como injeção supervisionada e provisão de heroína e morfina farmacêuticas na terapia para viciados em drogas, são métodos bem-sucedidos para acabar com a dependência e limitar a infecção de HIV. Países como a Suíça e o Canadá empregam essas medidas e têm bons resultados, mas as opções são vistas como inviáveis em outras localidades por razões frequentemente ligadas à ideologia.

Por enquanto, apesar de ainda haver possibilidade de melhorias, Europa Ocidental, Canadá e Austrália oferecem aos Estados Unidos e, Rússia, leste europeu e Ásia Central exemplos bem-sucedidos de políticas alternativas à criminalização severa.

O dependente químico Stefan se considera sortudo por viver na Áustria. Ele é viciado em heroína há quase três anos e diz que uma recuperação seria impossível – e perigosa – se não pudesse contar com locais que fazem a troca de seringas.

"Eu não quero morrer disso. Meu irmão morreu por causa das drogas e eu fui estúpido o bastante para começar o uso. Eu quero parar, e um lugar como esse pode me ajudar muito a sair desse caminho. Deveria haver centros iguais no mundo todo", finaliza Stefan.

Autor: Don Ducan (np)

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais