Lula convida empresários alemães a investir no Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 04.12.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Lula convida empresários alemães a investir no Brasil

Em encontro com empresários, em Hamburgo, ministros Guido Mantega e Dilma Roussef mostraram vantagens e oportunidades de investimentos no Brasil. Presidente Lula convidou empresários alemães: "Vamos ser felizes juntos".

default

Lula elogiou alemães em Hamburgo

Em seu segundo dia de visita à Alemanha, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua comitiva seguiram de trem-bala de Berlim para Hamburgo nesta sexta-feira (04/12), acompanhados de empresários, representantes do governo alemão e jornalistas brasileiros.

Em discurso proferido a empresários em Hamburgo, o presidente brasileiro defendeu a cana-de-açúcar como a "nova matriz energética das próximas décadas". Citando o comprometimento da União Europeia (UE) em utilizar 10% de etanol no combustível fóssil, até 2020, Lula disse que é preciso "discutir desde já que tipo de parcerias iremos construir para atendermos às necessidades da maioria dos países desenvolvidos".

Para realçar o que chamou de "situação confortável da economia brasileira", Lula citou vários programas implementados em seu governo, como Luz para Todos, Bolsa Família e ProUni.

O chefe de Estado brasileiro convidou os empresários alemães a investirem no Brasil. "Dizem que não é justo uma pessoa ser feliz sozinha. Então, meus companheiros alemães e brasileiros, vamos juntar a nossa força econômica, a nossa inteligência, a nossa capacidade produtiva, o nosso conhecimento e vamos ser felizes juntos", concluiu.

A força da economia brasileira

No mesmo encontro, diversos ministros brasileiros proferiram palestras sob o tema "Brasil-Alemanha: Tempo para uma nova parceria econômica". O ministro da Fazenda, Guido Mantega, apresentou os números da economia nacional e defendeu as vantagens de se investir no país.

Mantega citou a valorização da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que no ano passado teve um volume de transações superior a 600 bilhões de dólares, e a expansão do crédito público após a crise econômica.

"A economia brasileira é uma das que têm mercado sólido, investimentos em curso e oferece possibilidade de rentabilidade. Acho difícil existir outra economia que permita rentabilidade maior, tanto no mercado de capitais quanto no setor financeiro e produtivo. Tudo isso numa economia cada vez mais segura, com regras mais claras e menos impedimentos do que em outros países emergentes como a Índia e a China", disse Mantega.

Minha Casa, Minha Vida

Já a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, destacou as oportunidades de investimentos no Brasil, entre as quais o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o Pré-Sal e o programa Minha Casa, Minha Vida.

Roussef disse que as oportunidades no setor logístico se concentram, por exemplo, em concessões para construção de ligações rodoviárias com 2.066 quilômetros de extensão na região centro-sul do país, o que implicaria investimentos de 3,2 bilhões de euros, como também ligações ferroviárias com extensão de mais de 3.500 quilômetros e previsão de investimentos de 17,9 bilhões de euros. Nesse contexto, a ministra mencionou ainda a dragagem de portos.

A ministra da Casa Civil destacou que "os empresários brasileiros e alemães estão diante de oportunidades jamais surgidas no Brasil e raramente encontradas concentradas num local no mundo".

Encontro do clima em Copenhague

Nesta sexta-feira em Hamburgo, o presidente Lula voltou a citar os compromissos ambientais assumidos pelo Brasil, como a redução da emissão de gases-estufa entre 36,1% e 36,9% e do desmatamento na Amazônia em 80%, até 2020. O presidente disse ainda pretender chegar à conferência da ONU em Copenhague "desafiando os outros países para que cumpram pelo menos o que o Brasil está se propondo a cumprir".

O chefe de Estado brasileiro elogiou a atuação da Alemanha no cenário internacional. "Dentre os países desenvolvidos, é o que mais tem tomado iniciativas para que a gente possa apresentar ao mundo uma proposta objetiva. Não é essa a visão dos Estados Unidos e não é essa a visão da China", declarou.

A visita do presidente brasileiro foi encerrada com um almoço com empresários e autoridades do governo alemão em Hamburgo. Lula embarcou na tarde de sexta-feira de volta ao Brasil.

No entanto, dois integrantes da comitiva do presidente brasileiro, um segurança e um funcionário da Aeronáutica, ficaram na Alemanha depois de receberem os resultados de exames que confirmaram gripe A (H1N1), a gripe suína, informou o Ministério brasileiro das Relações Exteriores.

Autora: Cris Vieira

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais