1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Lula aceita assumir Casa Civil

Na condição de ministro, Lula passa a ter foro privilegiado, e as ações contra ele serão julgadas no Supremo Tribunal Federal. Nomeação deve ser acompanhada da entrada de uma série de novos nomes no governo Dilma.

Após reunião com a presidente Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aceitou nesta quarta-feira (16/03) ser ministro da Casa Civil, ocupando a vaga de Jaques Wagner no governo.

Na condição de ministro, Lula passa a ter foro privilegiado, e as ações contra ele serão julgadas no Supremo Tribunal Federal – e não mais pelo juiz de primeira instância Sérgio Moro.

A nomeação deve ser acompanhada da entrada de uma série de novos nomes no governo Dilma – uma condição que teria sido imposta pelo próprio ex-presidente. Uma delas seria a volta de Henrique Meirelles ao Banco Central, em substituição a Henrique Meirelles.

A entrada de Lula da no atual governo, uma guinada há alguns meses considerada impensável, pode abrir uma nova fase na atual crise – e é considerada uma estratégia de

elevado risco político

tanto para o ex-presidente como para Dilma.

Lula ajudaria Dilma em dois pontos sensíveis de sua gestão: recuperação da economia e articulação política para tentar frear o processo de impeachment, que, como teme o Planalto, pode ser acelerado pelos protestos. E, isso, sem debilitar ainda mais o poder da atual presidente.

Antes, havia dúvidas sobre qual pasta o ex-presidente aceitaria – Casa Civil ou Secretaria de Governo. A primeira lhe daria, em tese, mais poder, mas inclui também uma grande parte administrativa que Lula não gostaria de ter que lidar para poder se concentrar no rearranjo político do governo.

Por várias vezes, o ex-presidente reclamou com aliados sobre a atuação do Ministério Público na Lava Jato, afirmando que está sofrendo "perseguição política" e uma campanha de difamação.

Lula foi o principal alvo da 24ª fase da operação, deflagrada no início deste mês. O ex-presidente foi obrigado a prestar depoimento à Polícia Federal após mandado de condução coercitiva expedido pelo juiz federal Sérgio Moro.

Paralelamente à Lava Jato, o Ministério Público de São Paulo pediu na semana passada a prisão preventiva do ex-presidente no caso envolvendo um triplex no Guarujá, no qual é acusado de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Leia mais