1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Lukashenko assegura quinto mandato em Belarus

Há 21 anos no poder, "último ditador da Europa" vence com mais de 80% dos votos eleição marcada pelo boicote da oposição. Líder é visto por bielorrussos como bastião da estabilidade, em meio a conflitos regionais.

O presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, conquistou um quinto mandato com mais de 83% dos votos, numa eleição amplamente boicotada pela oposição. O concorrente mais próximo do político descrito como "o último ditador da Europa" teve apenas 5% dos votos.

A vitória de Lukashenko, confirmada nesta segunda-feira (12/10), era considerada certa. Há 21 anos no poder, o presidente de Belarus não enfrentou nenhuma competição séria depois que os principais nomes da oposição decidiram boicotar o pleito, para eles ilegítimo. Observadores estrangeiros também levantaram suspeitas sobre a transparência do processo eleitoral.

O comparecimento às urnas chegou a 87%, cifra questionada pela oposição. "A comissão eleitoral inventou os resultados como ela queria. Mas estou especialmente impressionado com o comparecimento divulgado, já que metade dos centros de votação estava vazia", disse o líder opositor Anatoly Lebedko.

Lukashenko, um ex-diretor administrativo de fazendas, governa a ex-república soviética desde 1994, mantendo laços estreitos com Moscou. Para muitos bielorrusos, o ditador é sinônimo de estabilidade, dado os problemas econômicos da região e o conflito no leste da vizinha Ucrânia.

As relações com o Ocidente sofreram recentemente uma ligeira melhora após Belarus ter hospedado as conversações sobre a crise na Ucrânia, reunindo ucranianos, russos e rebeldes.

As negociações culminaram no acordo de Minsk, que estabelece um plano para alcançar um cessar-fogo no conflito no leste ucraniano, que coloca rebeldes pró-Russia em confronto com o governo de Kiev.

Consequentemente, o Ministério das Relações Exteriores da União Europeia (UE) está considerando uma suspensão temporária das sanções impostas a Belarus e a Lukashenko, numa tentativa de incentivá-lo a avançar em direção ao Ocidente, em detrimento de Moscou.

PV/afp/rtr/ap

Leia mais