1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Lufthansa prevê "decolagem dos lucros"

Ataques terroristas e greve dos pilotos provocaram primeiro prejuízo da empresa nos últimos oito anos. Acionistas ficam sem dividendos este ano.

default

Aviões da Lufthansa

Sete meses após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, a Lufthansa está confiante de que seus negócios voltarão a decolar este ano. "A crise aguda do setor passou", disse o diretor-executivo da empresa, Jürgen Weber, ao apresentar o balanço de 2001, nesta quinta-feira (25), em Frankfurt.

No ano passado, a companhia voou no vermelho e teve um prejuízo de € 633 milhões, o primeiro saldo negativo dos últimos oito anos. Em 2000, ainda obteve um lucro de € 689 milhões.

Segundo Weber, a situação das companhias aéreas melhorou, mas "acontecimentos como o suposto atentado no balneário de Djerba (Tunísia) mostram que o trauma dos ataques terroristas ainda não foi superado".

Ano perdido - O fraco desempenho da empresa em 2001, influenciado também pela greve dos pilotos, será sentido pelos 400 mil acionistas, que não receberão dividendos este ano. No ano que vem, a empresa quer voltar a distribuir dividendos.

Em 2001, a Lutfhansa obteve um saldo operacional de € 28 milhões, 97,3% menor do que o do ano anterior. "Diante das tendências recessivas e das conseqüências do terror, é um resultado respeitável. Mas, no todo, foi um ano perdido", disse Weber. A empresa transportou 46 milhões de passageiros no ano passado, 2,7% menos do que em 2000.

Decolagem - Para 2002, a Lufthansa espera "um resultado operacional bem melhor", mas não faz previsões exatas. "Qualquer estimativa anterior à assembléia geral dos acionistas, em junho, é pura especulação", afirmou Weber.

No primeiro trimestre deste ano, a Lufthansa transportou 11% menos passageiros e 7% menos cargas do que no mesmo período no ano passado. Mesmo assim, Weber acredita numa "decolagem do faturamento" em 2002. Seu otimismo baseia-se na reativação de 18 dos 43 aviões que tirara de circulação depois dos ataques terroristas nos EUA. "Essa decisão foi tomada com base na melhora da conjuntura e no aumento da demanda" disse Weber.

Leia mais

Links externos