Lufthansa incorpora companhias menores e cresce com a crise | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 04.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Lufthansa incorpora companhias menores e cresce com a crise

A crise mundial do setor aéreo está provocando a concentração do mercado e favorecendo companhias como a Lufthansa, a British Airways e a Air France-KLM, que crescem com a incorporação de concorrentes menores.

default

Lufthansa está incorporando empresas menores, como a Brussels Airlines

A Lufthansa está tirando proveito da crise econômica mundial. Enquanto outras companhias aéreas enfrentam os efeitos da alta do petróleo e da queda nas vendas de passagens, a principal empresa alemã do setor está em pleno processo de aquisição de concorrentes.

Com a iminente incorporação da Austrian Airlines (AUA), aprovada nesta quarta-feira (04/12) pelo conselho de administração da Lufthansa, a empresa alemã poderá ampliar a sua oferta de vôos principalmente para o Leste Europeu e fortalecer sua posição como uma das maiores do mundo.

Em jogo está também a liderança no mercado europeu. Com a incorporação da AUA e as planejadas participações majoritárias na britânica BMI e na belga Brussels Airlines, o faturamento anual da Lufthansa chegará a 27 bilhões de euros. A atual líder, a franco-holandesa Air France-KLM, tem faturamento de 24 bilhões de euros por ano.

Swiss e Alitalia

É a segunda vez que a Lufthansa compra uma companhia deficitária. A primeira foi a suíça Swiss, em 2005, o que significou a ampliação do leque de vôos para a África, partindo de Zurique. "A AUA é companhia problemática. A Lufthansa estará incorporando uma fonte de prejuízos", disse o analista Jürgen Pieper, do banco Bankhaus Metzler.

A companhia austríaca acumula dívidas de 900 milhões de euros. Por isso a Lufthansa exige uma participação financeira do Estado austríaco na reestruturação da AUA antes de concretizar o negócio.

Também não faltam especulações sobre uma possível participação da Lufthansa na nova Alitalia. Mas o fato é que a companhia aérea alemã já colocou suas asas no mercado italiano. No norte, a subsidiária Air Dolomiti opera principalmente no transporte de passageiros para os aeroportos de Zurique, Munique e Frankfurt.

Além disso, no próximo ano a Lufthansa Italia começará a voar a partir de Milão para outras cidades européias. Com isso, a Lufthansa pode se tornar uma concorrente da nova Alitalia, mesmo que esta se una à Air France-KLM.

Restarão três

Para muitos analistas, as crescentes fusões de companhias aéreas na Europa são um processo irreversível. Companhias pequenas, como a Swiss e a Austrian Airlines, não têm chances num mercado que sofre com a alta do petróleo, a crise financeira e a queda no tráfego de passageiros.

A Lufthansa não é a única a se fortalecer. A British Airways busca uma fusão com a espanhola Iberia e a australiana Qantas. A Air France-KLM briga com a Lufthansa por uma participação na nova Alitalia e a escandinava SAS também está à procura de um parceiro.

Para o presidente da Air France-KLM, Jean-Cyril Spinetta, após uma rápida fase de concentração restarão apenas três grupos no mercado. Elas reunirão diversas companhias. "A Air France-KLM será um dos pilares desse processo de consolidação", assegurou.

Leia mais