1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Londres transfere espiões por causa de Snowden, diz jornal

Reino Unido retira agentes do serviço secreto de "países hostis" após Rússia e China terem decifrado informação sigilosa de dados do ex-agente de inteligência americano Edward Snowden, afirma "Sunday Times".

O Reino Unido retirou agentes do serviço secreto estacionados em "países hostis" depois que Rússia e China decifraram informação altamente sigilosa dos arquivos do ex-agente de inteligência americano Edward Snowden, informou neste domingo (14/06) o jornal Sunday Times.

O serviço secreto MI6, que opera no exterior para defender os interesses britânicos, teria retirado agentes de vários países, segundo a informação do periódico, que cita fontes não identificadas do escritório do primeiro-ministro britânico, David Cameron, do Ministério do Interior e dos serviços de segurança britânicos.

Snowden teve acesso a mais de 1,7 milhão de documentos digitais secretos das agências de segurança dos EUA e do Reino Unido em 2013, e pouco depois divulgou detalhes dos programas americanos de vigilância telefônica e da internet, provocando um dos maiores escândalos de espionagem dos últimos tempos.

Greewald nega

O jornalista americano Glenn Greenwald, que publicou as revelações de Snowden, refutou as informações, dizendo que a reportagem do Sunday Times está cheia de "dados comprovadamente falsos". Ele também disse que não há provas sobre as afirmações do jornal britânico e que a reportagem da publicação é exemplo de "mau jornalismo".

Um alto funcionário do governo britânico afirmou à emissora britânica BBC que os agentes foram transferidos porque Rússia e China teriam conseguido ler dados de Snowden.

Snowden é procurado pelos EUA e vive como exilado na Rússia. Em outubro de 2013, ele disse ao jornal americano The New York Times que não levou documentos secretos para Moscou, já que teria entregado todo o material a jornalistas em Hong Kong antes de prosseguir viagem para a Rússia.

MD/dpa/rtr

Leia mais