1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Londres inicia Jogos Olímpicos com grande esquema de segurança

Policiais, navios de guerra, cerca elétrica, apoio logístico dos EUA: autoridades londrinas garantem que a cidade está segura, mas o medo persiste. Durante as Olimpíadas, trânsito e transporte público também preocupam.

"Esta é a maior operação de segurança em nossos tempos de paz", declarou o primeiro-ministro britânico, David Cameron, um dia antes da abertura dos Jogos Olímpicos de Londres, que se iniciam nesta sexta-feira (27/07). Com enorme contingente militar e gigantesca operação de inteligência, Cameron garante que a cidade está preparada para o evento.

Mais de 40 mil policiais militares e civis estão a postos. Mísseis superfície-ar foram dispostos nos arredores do complexo olímpico e ao longo do rio Tâmisa, e navios de guerra patrulham as águas ao sul do Reino Unido. Para completar o esquema de segurança, 17 quilômetros de cerca elétrica, com 4 metros de altura, foram instalados ao redor do Parque Olímpico.

Mesmo com a capital britânica transformada numa verdadeira fortaleza, a segurança de atletas e turistas continua a ser a principal preocupação para os Jogos. Como apoio à organização londrina, o governo dos EUA estabeleceu um central de controle 24 horas para monitorar a ameaça terrorista durante as Olimpíadas. O premiê Cameron reitera que tudo o possível foi feito para minimizar qualquer ameaça e para lidar com qualquer imprevisto.

Großbritannien Abhörskandal David Cameron in Wales

Cameron ressalta dificuldade de realizar Jogos Olímpicos numa metrópole

Pouco antes dos Jogos, foi preciso lidar com um contratempo. A empresa privada de segurança G4S ocupou as manchetes internacionais nas últimas semanas ao admitir não ter conseguido recrutar guardas suficientes, apesar de seu contrato milionário com o governo. Com isso, cerca de 4,7 mil soldados adicionais tiveram de ser mobilizados de última hora.

Além da segurança, o transporte também é motivo de preocupação. Tráfico pesado no centro de Londres e atrasos no sistema ferroviário britânico ameaçam londrinos e visitantes durante os Jogos.

"Estamos realizando os Jogos Olímpicos numa das cidades mais agitadas e movimentadas do mundo", disse Cameron. "É claro que é mais fácil realizar uma Olimpíada no meio do nada." O premiê enfatizou ainda que os Jogos seriam realizados pelas pessoas e não pelo Estado, com a participação de dezenas de milhares de voluntários.

Segurança olímpica

O cenário atual é bastante diferente dos primórdios olímpicos. Os primeiros Jogos da era moderna – realizados em Atenas, em 1896 – foram celebrados como uma festa pacífica e uma oportunidade para atletas de todo o mundo competirem.

Nas últimas quatro décadas, após as Olimpíadas de Munique, a altura dos muros de proteção ao redor dos complexos olímpicos foram subindo cada vez mais, culminando na fortaleza londrina. "Todos os Jogos desenvolveram um componente militar", disse o ministro da Defesa britânico Philip Hammond.

As primeiras Olimpíadas envolvendo uma operação militar de grande porte foram as de Seul, em 1988. Os Jogos foram realizados a apenas 58 quilômetros da zona desmilitarizada separando a Coreia do Sul da Coreia do Norte. O Exército inteiro do país ficou a postos, e os EUA também enviaram reforços.

London Olympia Vorbereitung Luftaufnahme Stadien Skyline

Segurança olímpica foi se intensificando ao longo das décadas, até chegar ao megaesquema londrino

Na virada do milênio, poucos meses antes das Olimpíadas de Sydney, em 2000, as medidas de segurança olímpica foram ampliadas para garantir a defesa contra ataques químicos e biológicos. A Austrália ficou em alerta depois de um depósito de armas ter sido descoberto poucos meses antes dos Jogos.

Mas foram os ataques terroristas de setembro de 2011 os responsáveis pela segunda maior intensificação da segurança olímpica após o atentado das Olimpíadas de Munique de 1972, em que 11 atletas israelenses foram mortos por militantes palestinos.

Apesar de as Olimpíadas de 2012 coincidirem com o 40º aniversário do massacre na Alemanha, o Comitê Olímpico Internacional (COI) recusou os pedidos para a realização de um minuto de silêncio durante a cerimônia de abertura em Londres.

Mais contratempos

A comissão organizadora também teve de lidar com um impasse diplomático ainda antes da cerimônia de abertura dos Jogos de 2012. Antes da partida olímpica de futebol feminino entre a Coreia do Norte e a Colômbia realizada nesta quarta-feira (25/07), a bandeira da Coreia do Sul foi mostrada, fazendo com que as norte-coreanas abandonassem o gramado e atrasassem o início da partida.

Großbritannien Symbolbild Olympische Spiele in London Tower Bridge und Ringe Regenschirm

Previsão para o primeiro fim de semana é de névoa e chuva

Um série de escândalos de doping também manchou a imagem dos Jogos, com pelo menos 11 atletas banidos até agora. Paralelamente, a saltadora tripla grega Paraskevi Papachristou tornou-se a primeira vítima olímpica do Twitter, tendo sida expulsa de sua delegação após fazer comentários racistas na rede social.

Esta é a terceira vez que Londres sedia o evento, após 1908 e1948. Os custos dos Jogos Olímpicos deste ano são estimados em cerca de 15 bilhões de euros. Até 12 de agosto, cerca de 10,5 mil atletas de 204 países brigarão por medalhas.

"Temos grandes esperanças e medos. O espírito é incrível. Estamos fazendo figa para os eventos, o transporte, o clima", declarou Cameron. Para o primeiro fim de semana dos Jogos, a previsão é de tempo parcialmente nublado e chuvoso, típico da capital britânica.

LPF/rtr/dpa/afpe
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais