1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Lojas fecharão mais tarde

Em breve os alemães poderão fazer compras até 20 horas aos sábados. O Parlamento aprovou na quinta-feira (13/03) a prolongação do horário comercial. A lei ainda em vigor estipula o fechamento às 16 horas.

default

O comércio não tem liberdade de abrir quando quiser na Alemanha

A alteração da lei representa um primeiro e modesto passo na liberalização do comércio, no que diz respeito a horários. E mesmo assim não foi fácil chegar a um consenso. O Partido Social Democrático (SPD), do chanceler federal Gerhard Schröder, teve que reunir a bancada na véspera para convencer os "dissidentes", que se deixaram influenciar pelos argumentos dos sindicatos, e assim evitar surpresas na hora da votação.

Isso também pegaria muito mal às vésperas da declaração de governo em que Schröder iria anunciar as tão esperadas reformas para tirar a economia do marasmo e criar mais empregos. Se não houvesse coesão numa simples questão como o horário de fechamento das lojas, as reformas não estariam sob uma boa estrela.

Na hora de realizar a votação, não havia clareza quanto à maioria, o que tornou necessário aplicar um procedimento especial, já que os deputados alemães não sabem o que é votação eletrônica: por incrível que isso possa parecer a um brasileiro, todos tiveram que sair do plenário e tornar a entrar por uma de três portas: uma porta do "sim", outra do "não" e a terceira das abstenções, quando então foram contados. O novo horário contou com uma clara maioria: 279 votos a favor e 224 contra.

Oposição quer acabar com a lei

Combatida pelos sindicatos, a liberalização da lei ( Ladenschlussgesetz) foi uma iniciativa do ministro da Economia e do Trabalho, Wolfgang Clement (SPD). O comércio exigia há tempo horários mais flexíveis. O Partido Liberal (FDP), de oposição, queria acabar definitivamente com a lei, para que os consumidores pudessem fazer compras a qualquer hora, até aos domingos.

A União Democrata Cristã (CDU), maior partido de oposição, é contra tanta liberdade: como partido cristão considera sagrado o domingo, mas nos demais dias, daria total liberdade aos comerciantes. CDU e FDP consideraram insuficiente a mudança. Nos últimos dez anos, o comércio perdeu mais de 100 mil empregos, apesar da lei, segundo o deputado Hartmut Schauerte (CDU). Quando uma lei não ajuda, deve ser revogada "sem mais nem menos", disse a política liberal Gudrun Kopp.

As federações que representam o comércio consideraram a ampliação do horário uma "reforma mínima", que deve ser encarada como o início de outra, mais ampla. O comércio varejista também criticou que tenha sido garantido um sábado livre por mês aos comerciários. O gigante sindicato Ver.di, de prestadores de serviços, opôs-se à mudança que, ao seu ver, não contribuirá para a criação de empregos e acabará representando sobrecarga para os vendedores. No último fim de semana, o Ver.di organizou um protesto em Berlim, que contou com a participação de milhares de empregados do comércio.

Incentivo ao consumo?

Com a iniciativa, o governo alemão espera incentivar o consumo privado. Isso beneficiaria o comércio varejista, que muito tem sofrido as conseqüências do desaquecimento da conjuntura. Contrariamente aos que exigem que os estados decidam sobre o horário, Gerd Andres (SPD), do Ministério da Economia, defendeu uma regra nacional. Segundo ele, a ampliação aprovada é moderada, tendo encontrado um meio-termo entre os interesses dos consumidores, dos empregados e dos comerciantes.

Segundo uma enquete realizada pelo Instituto de Pesquisa Comercial, de Colônia, 92% dos alemães são, em princípio, a favor de mais tempo para fazer compras no sábado. 47% se contentariam com a abertura das lojas até as 18 horas, enquanto 36% preferem 20 horas. Apenas 2,8% dos clientes gostariam de fazer shopping mais tarde ainda. Dos comerciantes, 58% preferiam deixar tudo como estava. Somente 18,9% foram a favor de abrir as portas no sábado até 8 da noite.

A emenda que permitirá a abertura do comércio das 6 às 20 horas deverá entrar em vigor em 1º de junho. Nos domingos e feriados, as lojas permanecerão em geral fechadas. O Conselho Federal - a segunda câmara do Legislativo alemão - não pode rejeitar a emenda, mas apresentar um recurso ao Parlamento, que teria de submeter a lei a uma nova votação.

Leia mais