1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Livro de Sérvulo Esmeraldo desconstrói o monograma de Albrecht Dürer

O gravador alemão Albrecht Dürer (1471-1528) transformou o seu monograma A.D. numa obra de arte em si. Em livro de xilogravuras, o escultor e ilustrador Sérvulo Esmeraldo analisa essa obra gráfica do artista alemão.

Indagado sobre o seu interesse pelo gravador alemão Albrecht Dürer, o artista cinético Sérvulo Esmeraldo responde: "O meu interesse pelo Albrecht Dürer? E se eu lhe disser que vem desde criança. Primeiramente, o monograma dele. Em seguida, a sua obra gravada."

Esmeraldo está lançando agora em edição bilíngue (português e alemão) um livro de xilogravuras sobre o célebre monograma de Albrecht Dürer – A.D.: De Monograma a Metagrama (A.D.: Vom Monogramm zum Metagramm). O livro conta ainda com um texto de Décio Pignatari (1927-2012) sobre Albrecht Dürer e o monograma A.D., como também com uma introdução do filósofo gaúcho Álvaro Luiz Montenegro Valls.

Conhecido principalmente por sua obra cinético-escultórica, aos 84 anos, Sérvulo Esmeraldo é hoje um dos artistas brasileiros de maior reconhecimento internacional.

Künstler Sérvulo Esmeraldo

Sérvulo Esmeraldo é conhecido por suas esculturas cinéticas

Em 2010, a Casa Europeia da Fotografia em Paris lhe dedicou a exposição Les Excitables, mostrando os Excitáveis, dispositivos cinéticos interativos desenvolvidos pelo artista desde o final da década de 1960. Em 2011, a Pinacoteca do Estado de São Paulo o homenageou com uma retrospectiva de mais de cem trabalhos. E, em 2013, a Pinakotheke Cultural traz agora para o Rio de Janeiro uma grande antologia da obra de Sérvulo Esmeraldo, com 70 trabalhos desde 1950 até hoje. A exposição fica aberta até 13 de novembro, no espaço de exposições em Botafogo.

Dirigida por Max Perlingeiro, que também foi responsável pela curadoria da atual exposição, a Pinakotheke Cultural é uma organização especializada no planejamento e na produção de exposições e livros exclusivamente voltados para a história da arte no Brasil.

No contexto da mostra do artista nascido no Crato, na região do Cariri no interior do Ceará, Esmeraldo apresenta uma obra sobre a qual vem trabalhando há quase duas décadas.

Tradição da xilogravura

A crítica e curadora de arte Dodora Guimarães, esposa de Sérvulo Esmeraldo, explicou à DW Brasil que tudo começou quando a Casa de Cultura Alemã de Fortaleza recebeu, em 1994, uma exposição de gravuras de Albrecht Dürer. Na época, ela foi chamada para montar a mostra. Ao ver o material, Dodora Guimarães diz ter pensado na vertente da gravura religiosa que existe no Cariri. "Quando eu vi o material, eu fiquei encantada, maravilhada com a ideia e pensei logo na nossa produção cearense voltada para a xilogravura."

Brasilien Buchcover Monogramm von Albrecht Dürer

Capa do álbum de Esmeraldo, com título sugerido por Décio Pignatari

Em vez de apenas receber passivamente a exposição, Dodora pensou em fazer um trabalho curatorial com a coleção. Ela convidou cerca de 30 artistas cearenses e para cada artista deu uma reprodução da gravura de Dürer, pedindo para eles criarem uma obra a partir daquela reprodução. A exposição aconteceu sob o nome Albrecht Dürer e Gravadores Cearenses D'après Albrecht Dürer.

Segundo a curadora, Sérvulo Esmeraldo escolheu justamente o monograma de Dürer. Foi a partir daí que o artista começou a trabalhar o monograma em xilogravura. Ao se encontrar com Décio Pignatari, em 1995, Esmeraldo relatou-lhe sobre essa aventura. Dodora Guimarães contou à DW Brasil que Pignatari também nutria muito interesse por Dürer. "Então eles conversaram e o Pignatari começou a escrever sobre esse trabalho. Foi assim que surgiu a parceria do Sérvulo com o Décio."

Porta, portão, portal, torre

Em seu texto, Pignatari explica que Dürer foi um "homem de alegoria, grafia e caligrafia: seu monograma-abreviatura não poderia ter sido concebido antes dos tipos móveis de madeira de Gutenberg, antes dos cortes e recortes dos primeiros tipos para essa finalidade. Começa assinando-se A.d., em respeitosa e consideração para com a divindade suprema, mas logo passará para A.D.".

Na introdução do livro de Sérvulo Esmeraldo, o filósofo Álvaro Valls escreve que o pai de Dürer era um "artesão qualificado, mestre na ourivesaria, de origem húngara, proveniente de uma aldeia cujo nome significava 'porta', o que daria em alemão 'Tür'. O ourives adotou como nome de família a forma germanizada 'Türer' e depois 'Dürer', que significaria algo como 'homem da porta', celebrizado nas armas e no monograma das obras do filho. No monograma, o A serve de portal (dintel e batente, umbral ou ombreira) enquanto que D toma forma de uma portinhola ou portãzinho."

Pignatari diz não ter dúvida de que o AD düreriano é uma inscrição que incorpora não apenas um portal ou porta de cidade, mas também uma torre, onde a porta está inserida. Para o semiótico Pignatari, no entanto, o que chama a atenção não é tanto o fato de o monograma de Dürer aproximar-se do ideograma sino-japonês para porta, portão, portal, ou "do ideograma-monumento à beira-mar plantado em tantas partes do Japão, mas sim o de seguir o processo de articulação de ideogramas (neste caso, a intraposição)."

Holzschnitte von Servulo Esmeraldo

Segundo Esmeraldo, o que lhe encantou em Dürer foi o fato gráfico

O "fato gráfico"

Em entrevista à DW Brasil, Sérvulo Esmeraldo explica que "grande parte da obra do Dürer é de xilogravuras, que são de grande qualidade. E isso é importante de ser analisado." Segundo Sérvulo, Albrecht Dürer tinha uma grande preocupação com o gráfico, então era normal que ele chegasse a seu monograma. "Porque ele passou pela vizinhança do fato gráfico muitas vezes, sobretudo na época em que ele viveu, quando se fazia [trabalhos gráficos] mais do que hoje."

Quanto à influência oriental sobre o monograma de Dürer, o artista cearense diz que sua existência seria "possível porque os orientais fizeram muitos monogramas, talvez antes que nós, ocidentais, até porque a própria língua deles se prestava para isso, porque é uma língua que era gráfica, mais gráfica do que a nossa. E naturalmente isso influenciou o Dürer e é, eu diria, uma coisa normal para quem enxerga o gráfico e se preocupa com ele."

E parece ter sido o fato gráfico que atraiu a atenção do cearense para a obra do gravador alemão. Sobre essa influência, Esmeraldo revela que, em sua "simplicidade de jovem ignorante, era a mais a qualidade do trabalho dele [de Dürer], a técnica que era impecável. E aí eu aprendi muito com ele. Procurei me orientar nele". E, como ele mesmo afirma, seu interesse por Dürer vem de longa data. Em 1957, foi para a França estudar gravuras. Esmeraldo passou dois anos pesquisando as xilogravuras do célebre gravador renascentista, no Gabinete de Estampas da Biblioteca Nacional da França.

Segundo o filósofo Álvaro Valls, em sua obra, Dürer sentiu a "necessidade de passar adiante o que aprendeu e conquistou na arte, bem como de anunciar através da arte a sua convicção em assuntos de fé." Natural da região do Cariri, um dos bastiões da xilogravura religiosa no interior do Ceará, Esmeraldo disse à DW Brasil que "não se é imune aos elementos de convivência." Assim, a convivência com a xilogravura religiosa do interior do Ceará influenciou, muito provavelmente, o interesse de Esmeraldo pelo gravador alemão.

.

De forma lúdica, Esmeraldo desconstrói o monograma do gravador alemão

De monograma a metagrama

Para o seu novo livro sobre o monograma de Albrecht Dürer, Dodora Guimarães explica que ao longo desses quase 20 anos, Sérvulo Esmeraldo "não parou de trabalhar nisso, assim como uma obsessão. E fez diversos formatos, tem pequenininho, tem grande, tem grandão. O formato final [36,5 cm x 26 cm] foi o resultado de várias experimentações."

Segundo Pignatari, numa operação singela, Esmeraldo decepou e ampliou, ou melhor, multiplicou o monograma, "montando um cineminha verbo-icônico, que revela a natureza ideogrâmica do monograma" alemão. Como explica Décio Pignatari, Esmeraldo desconstruiu o monograma de Albrecht Dürer, reduzindo todas as metáforas envolvidas – Ano do Senhor, portal, torre etc. – e propondo uma possível remontagem, que passa a ser metagramática, "sob o império do lúdico, do visual, do táctil."

Metagrama ou metaplasmo é a designação dada às figuras que acrescentam, suprimem, permutam ou transportam fonemas nas palavras. Atribui-se ao escritor inglês Lewis Carroll (1832-1898) a introdução de um jogo denominado de metagrama, que consiste na união de dois vocábulos através de uma cadeia de palavras, trocando somente uma única letra de cada vez. Partido de ape (macaco, em inglês), Caroll chega assim à palavra man (homem): ape-apt-opt-mat-man.

Holzschnitte von Servulo Esmeraldo

Esmeraldo montou "cineminha verbo-icônico, que revela a natureza ideogrâmica do monograma", diz Pignatari

"Releia-se Dürer"

Quanto ao processo de execução das xilogravuras do seu novo livro, Esmeraldo confessa que foi "fazendo instintivamente. Não foi, por assim dizer, técnica ou cientificamente, foi por intuição." Isso leva a refletir sobre a explicação de Pignatari em dizer que "o esforço da razão criativa não exclui nem impede o aparente não-esforço das poderosas aspirações irracionais do empuxo humano".

E daí que "a contaminação vital dos fluidos do espírito", explica Pignatari, trouxe Dürer para o Brasil, para o Ceará, para Fortaleza, para Sérvulo Esmeraldo. "Enfim, o metagrama está proposto na operação e parece dizer: releia-se Dürer."

Leia mais