1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Livro 'Coronel, Coronéis' ganha versão alemã

Quarenta anos após sua primeira edição no Brasil, clássico sobre coronelismo no Nordeste é traduzido para o alemão. Versão eletrônica do fenômeno persiste até hoje.

default

Coronéis Chico Heráclio e Chico Romão, retratados na obra

"É incrível que esta obra clássica da sociologia só agora tenha sido traduzida para o alemão", admira-se o jornalista Matthias Matussek, ex-correspondente da revista Der Spiegel no Brasil. "Mas uma coisa é certa: nesses 40 anos, o livro não perdeu nada de sua força e atualidade", acrescenta, na apresentação da edição alemã.

Escrito a partir de um trabalho de campo premiado, realizado em 1963, por Roberto Cavalcanti de Albuquerque e Marcos Vinícios Vilaça, e publicado pela primeira vez em 1965, Coronel, Coronéis - Apogeu e Declínio do Coronelismo no Nordeste é uma radiografia do poder na região, nos meados do século 20.

Os coronéis, com suas cartas-patente, são descritos como homens poderosos, de posse e de terras, que compram votos para se manter no poder. Como não respeitavam os limites de seus currais eleitorais, acabaram se liquidando mutuamente, embora a expansão do rádio e da televisão tenha sido fator fundamental para seu declínio. Ou, como escreveram os autores: "O coronel é instrumento dialético de seu próprio ocaso".

Entender o Nordeste

Buchcover Brasilien Coronel Coronéis

Capa da edição brasileira

"Quem quiser entender o Nordeste e a estrutura patriarcal da política brasileira, especialmente em nível local, não pode prescindir da leitura dessa pesquisa", segundo Matussek. Ele classifica o livro como "reportagem fascinante", um "álbum de família", a "crônica de uma nação".

Depois de várias edições no Brasil e versões em espanhol, inglês, francês e italiano, a tradução alemã chegou às livrarias neste final de ano, às vésperas da maratona eleitoral brasileira de 2006.

A tradução é do diplomata Guido Heymer, ex-cônsul geral da Alemanha no Rio de Janeiro, conhecedor do país e da literatura brasileira, que contou com a assessoria de Maria do Carmo Ventura Wollny, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A editora Brasilkunde publicou Die Grundherren – este o título em alemão – com a intenção de ajudar os leitores alemães a compreender os desafios sociais "difíceis de explicar", enfrentados ainda hoje pelo Nordeste brasileiro.

Sertão e Afeganistão

Buchcover Brasilien Die Grundherren

'Die Grundherren' é o título em alemão

Na opinião de Martin Gester, que foi correspondente de jornais alemães no Brasil durante três décadas, a leitura de Coronel, Coronéis vale a pena, porque o poder e seu declínio não são fenômenos exclusivamente brasileiros.

"A história dos coronéis mostra que, em qualquer lugar onde o poder central não pode ou não quer estar presente, surgem estruturas paralelas de poder. Isso vale tanto para a máfia da droga no Rio de Janeiro quanto para os warlords no Afeganistão ou a guerrilha na Colômbia", argumenta no prefácio à edição alemã.

Por ironia da história – como lembra Gester – os autoritários coronéis cederam lugar aos autoritários generais. Resquícios do coronelismo, porém, ainda são visíveis, sobretudo durante as campanhas eleitorais, em Estados como o Maranhão, Piauí, Sergipe, Alagoas e Bahia.

É nesses Estados também onde é mais evidente a versão moderna da política dos coronéis – o chamado "coronelismo eletrônico", o controle dos meios de comunicação por detentores de mandatos. Este, sim, parece resistir ao declínio.

Leia mais