1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Lituânia e o sonho de entrar para o clube dos ricos

Encontro de cúpula da União Européia vai analisar admissão de dez novos países. O pedido da Lituânia a Bruxelas foi encaminhado em 1995, as negociações começaram quatro anos depois.

default

Centro histórico da capital, Vilnius

Desde esta época, o governo social-democrata da Lituânia vem concentrando esforços para preencher as condições exigidas à admissão. O primeiro-ministro Algirdas Brazauskas salienta que, nos últimos três anos, houve progressos significativos neste sentido.

O último relatório da Comissão para a Ampliação da União Européia confirma: a democracia e a economia de mercado funcionam. Além disso, a equiparação de questões jurídicas corre a passos largos.

Os mais engajados neste processo são os jovens profissionais, altamente qualificados. Eles vêem grandes chances de desenvolvimento para a Lituânia no que chamam de Europa Club. Entre as vantagens políticas, está a estabilidade dos demais países da União Européia, em geral ricos. Do ponto de vista econômico, é a garantia de estabilidade.

População espera segurança e qualidade de vida

Pesquisas de opinião revelam que 25% dos lituanos, principalmente desempregados, idosos e agricultores, estão céticos quanto ao ingresso na UE. Pequenos produtores, com apenas uma vaca no estábulo e com menos de um hectare de terra, não seriam contemplados com as subvenções de Bruxelas e temem, por isso, ser engolidos por fazendeiros de maior poder aquisitivo.

Enquanto causa alívio a promessa de fechamento, em 2009, da antiquada usina nuclear de Ignalina, a criminalidade continua causando preocupação. O primeiro-ministro Brazauskas queixa-se da "indesejada herança" de velhos tempos: corrupção e lavagem de dinheiro. "Infelizmente, muita gente ainda fica quebrando a cabeça para enganar o fisco e sonegar impostos", queixa-se.

"Culpa do próprio governo, que não se engaja no combate à criminalidade da mesma forma como a polícia e a alfândega", reclama Violeta Mickeviciute. Segundo a jornalista do Respublika, segundo maior diário da Lituânia, a corrupção já não é mais tão evidente na vida pública como pouco tempo atrás, mas ainda há muitos lobistas que conseguem manipular as leis.

Críticas como esta eram praticamente impossíveis nos tempos em que o país era satélite soviético. Por isso, o objetivo principal da Lituânia na União Européia deveria ser a garantia desta independência, conquistada em 1990, argumenta a aposentada Gene Petkeviciute.

Links externos