Limpeza visual de São Paulo repercute na Europa | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 04.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Limpeza visual de São Paulo repercute na Europa

Arquitetura em vez de simbologia. Pouco mais de um ano após a implantação da lei municipal que livrou a cidade de São Paulo de letreiros e outdoors, imprensa alemã faz avaliação positiva da iniciativa.

Limpeza visual de São Paulo repercute na Europa

Aprendendo com São Paulo: europeus avaliam Lei Cidade Limpa

Em sua última edição, a Baunetz, a mais influente revista de arquitetura e urbanismo da Alemanha, traz o especial São Paulo – Cidade Limpa, retratando as mudanças na cidade após a implantação da Lei Cidade Limpa, de 2006, que restringiu a área de propaganda nos prédios, calçadas e ruas da cidade de São Paulo.

Assim como a Baunetz, a importante revista de economia Wirtschaftswoche, o canal de televisão Arte e até mesmo o cineasta Wim Wenders já se ocuparam do tema. As fotos do artista plástico paulistano Tony de Marco, que documentou a desmontagem das propagandas na cidade, aparecem no novo filme do cineasta alemão.

Todos são da opinião que principalmente a arquitetura lucrou com a limpeza visual da maior cidade brasileira e enfatizam as pesquisas que apontam a satisfação dos habitantes da cidade com a nova lei. Devido à nudez de alguns edifícios, não faltam, todavia, irônicas comparações com a antiga arquitetura socialista.

Buenos Aires e Rio de Janeiro pensam em seguir o exemplo paulistano, afirma a mídia. Se a iniciativa do prefeito Gilberto Kassab fizer escola, a cultura arquitetônica de consumismo, propagada a partir de Las Vegas ou Nova York, está com os dias contados em outras cidades latino-americanas.

Supermodelos que cobriam toda uma fachada

H&M Plakat in der Schweiz

Propaganda esconde a arquitetura

Entre outras determinações, a lei sancionada em setembro de 2006 estipula área máxima de propaganda de 1,5 metro quadrado para fachadas com até 10 metros quadrados de área. Para fachadas entre 10 e 100 metros quadrados, os anúncios não devem ultrapassar os 4 metros quadrados de área. Outdoors, cartazes, faixas e placas foram proibidos. Nos cinemas e teatros, a área dos pôsteres não deve ultrapassar 10% do total da fachada.

"Como se modifica uma cidade, onde a propaganda desapareceu do espaço público?", pergunta a mídia alemã, pouco mais de um ano após a implantação da iniciativa.

Segundo a Baunetz, a arquitetura, até então corroída por fotos de supermodelos que cobriam toda uma fachada, retomou seu lugar no espaço urbano. Em vez de dizer "dobre à esquerda no outdoor da Gucci", o transeunte de hoje informa o caminho desta forma: "ande até o Museu de Arte de São Paulo e depois dobre à esquerda no edifício da Petrobrás".

Berlim Oriental antes da queda do Muro

30.04.2005 kultur.21 las vegas

Las Vegas fez escola

A nova visibilidade da arquitetura de alguns prédios paulistanos não deixa de ser comparada, no entanto, com a arquitetura moderna pré-fabricada dos países socialistas. A TV franco-alemã Arte afirma que, para alguns visitantes, São Paulo lembra agora Berlim Oriental antes da queda do Muro e o jornal austríaco Die Presse afirma que, para outros, a cidade se compara a Moscou nos anos de 1950.

Em sua maioria, as críticas alemãs são positivas. Rio de Janeiro e Buenos Aires pretendem se espelhar em São Paulo, afirma a imprensa, enfatizando que pesquisas de opinião apontam uma satisfação de cerca de 60% da população paulistana com a limpeza visual urbana.

A emissora Deutschlandradio mencionou também a insatisfação de alguns teóricos da cultura que consideram os letreiros luminosos de Nova York símbolo de cidade internacional. Tais teóricos seriam da opinião que a propaganda torna a cidade mais colorida e mais alegre.

Aprendendo com São Paulo

Copan Haus - São Paulo

Arquitetura tem nova chance em SP

A emissora alemã reporta, provavelmente, à idéia surgida nos Estados Unidos, que ecoou em toda a América Latina. Desde os anos de 1940, a idéia de uma arquitetura visual de letreiros e outdoors foi sugerida como opção à falta de ornamento propagada pela arquitetura moderna. Com o pós-modernismo, esta idéia tomou corpo, nos anos de 1960, em livros como Complexidade e Contradição e Aprendendo com Las Vegas, do arquiteto norte-americano Robert Venturi.

Um dos grandes erros de muitos críticos da arquitetura moderna foi confundir ornamento com decoração e, no caso de Venturi, reduzir o ornamento à simbologia comunicativa. Em Aprendendo com Las Vegas, Venturi defendia uma paisagem urbana dominada por anúncios e letreiros como forma de suprir a falta de referência urbana que a arquitetura moderna não proporcionaria.

Esta posição, que se espalhou tanto quanto a cultura de consumo norte-americana, considerou a arquitetura como algo secundário. Surgiram então os galpões decorados. A atitude paulistana pode ser lida, assim, como uma revisão desta política urbana de consumo, surgindo aí uma nova chance para a arquitetura.

Leia mais