1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Libertado em Hamburgo suposto terrorista

Condenado por cumplicidade na preparação dos atentados de 11 de setembro, o marroquino Mounir al-Motassadeq foi libertado em Hamburgo, por falta de provas suficientes.

default

Mounir el Motassadeq deixa prisão ao lado de seu advogado

O marroquino de 30 anos, Mounir al-Motassadeq, deixou na tarde desta quarta-feira (7) o presídio de Hamburgo, onde esteve detido desde novembro de 2001, pouco após os atentados em Nova York e Washington. O mandado de prisão expedido na época baseava-se na acusação de que Motassadeq teria pertencido à chamada “célula do terror”, da qual faziam parte os pilotos responsáveis pelos atentados do 11 de setembro.

Falta de provas - Alegando, além da cumplicidade em 3066 homicídios, a participação ativa em uma organização terrorista, o Tribunal Superior Estadual de Hamburgo havia condenado Motassadeq à pena máxima de 15 anos de prisão, em 19 de fevereiro de 2003. O Supremo Tribunal Federal suspendeu, contudo, a sentença, alegando falta de provas suficientes que assegurem a participação de Motassadeq no planejamento dos atentados terroristas.

"Alta periculosidade" - Segundo Sabine Westfalen, porta-voz do Tribunal Superior Estadual de Hamburgo, Motassadeq, que fica em liberdade condicional, “não poderá deixar a cidade, não receberá seu passaporte de volta nem poderá pedir a expedição de um novo. Deverá permanecer em Hamburgo e apresentar-se à polícia regularmente”. Embora tenha suspendido em março último o mandado de prisão contra Motassadeq, os juízes do Supremo Tribunal Federal continuaram atribuindo ao marroquino “alta periculosidade”.

Carta de amigo - Segundo informações dadas por Gerhard Strate, advogado do acusado, a Procuradoria Geral da República apresentou, durante o decorrer do processo, duas novas provas, que acabaram por inocentar Motassadeq. A primeira delas é a carta de um dos mentores do 11 de setembro, Said Bahaji, que continua foragido, à sua mãe. Bahaji teria discorrido neste documento sobre as razões que o levaram a planejar os atentados em Nova York e Washington, tendo assegurado que Motassadeq não teria nada a ver com isso.

Terror Prozess Abdelghani Mzoudi

Abdelghani Mzoudi

Libertação de Mzoudi - Outro ponto que levou os advogados de Motassadeq a pedirem sua libertação foi a decisão da Justiça, em fevereiro último, em relação ao também marroquino Abdelghani Mzoudi, que respondeu a um processo semelhante frente ao tribunal de Hamburgo. No caso de Mzoudi, os juízes também optaram pela liberdade condicional do suspeito, por falta de provas concretas.

Cronologia do processo contra Motassadeq:

11 de novembro de 2001 – Pistas sobre os responsáveis pelos atentados em Nova York e Washington conduzem a Hamburgo. As investigações levam ao círculo de amigos do piloto Mohammed Atta, ao qual pertencia Mounir al Motassadeq, detido imediatamente em Hamburgo.

27 de novembro de 2001 – mandado de prisão contra Motassadeq, sob acusação de auxílio à formação de organização terrorista.

22 de outubro de 2002 – Início do processo contra Motassadeq no Tribunal Superior Estadual de Hamburgo. Em todo o mundo, é o primeiro processo envolvendo os atentados do 11 de setembro.

19 de fevereiro de 2003 – Motassadeq é acusado de cumplicidade no homicídio de mais de três mil pessoas e condenado a 15 anos de prisão. Seus advogados recorrem da sentença.

14 de agosto de 2003 – Em Hamburgo, início do processo contra o também marroquino Abdelghani Mzoudi, igualmente sob acusação de terrorismo.

11 de dezembro de 2003 – Após depoimentos por escrito de uma testemunha anônima, Mzoudi é libertado. Logo após, os advogados de Motassadeq entram com pedido de libertação do cliente.

28 de janeiro de 2004 – Início da revisão da sentença pelo Supremo Tribunal Federal, em Karlsruhe.

5 de fevereiro de 2004 – Mzoudi é lbertado em Hamburgo.

4 de março de 2004 – Por falta de provas suficientes, o STF suspende a condenação de Motassadeq e reenvia o processo a Hamburgo.

7 de abril de 2004 – O Tribunal Superior Estadual de Hamburgo suspende o mandado de prisão contra Motassadeq, que obtém liberdade condicional.

Leia mais