1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Liberdade de imprensa atinge pior nível em dez anos, diz ONG

Segundo organização Freedom House, violência e censura levaram à deterioração das condições de trabalho de jornalistas mundo afora. No Brasil, considerado "parcialmente livre", quatro jornalistas foram mortos em 2014.

Jornalistas estão na mira de terroristas e de governos autoritários, e alguns países estão endurecendo o controle sobre a mídia. Isso fez com que, em 2014, a liberdade de imprensa tenha alcançado os piores níveis em mais de uma década, indica o relatório anual da ONG Freedom House, divulgado nesta quarta-feira (29/04).

"Os governos usam a segurança ou as leis antiterrorismo como pretexto para silenciar a crítica. Grupos militantes e gangues usam, cada vez mais, táticas descaradas para intimidar jornalistas. Já os empresários da mídia tentam manipular o conteúdo das notícias para satisfazer seus interesses políticos e econômicos", disse Jennifer Dunham, que gerenciou o estudo.

Num ranking, o relatório classifica os países como "livres", "parcialmente livres" ou "não livres". Dos 199 países analisados em 2014, 63 foram considerados "livres", 71, "relativamente livres", e 65, "não livres". Isso significa que apenas uma em cada sete pessoas no mundo vive nos países "livres", caracterizados por forte cobertura de notícias políticas, garantia de segurança aos jornalistas e com baixa influência do Estado nas questões midiáticas.

O Brasil é classificado como "parcialmente livre", na 90ª posição do ranking. A mídia brasileira enfrenta "a ameaça constante de violência e impunidade, assim como censura judicial", destaca a Freedom House. A ONG lembra que quatro jornalistas foram mortos no país em 2014, e muitos outros foram atacados ao cobrir protestos.

Escandinavos na frente

Noruega, Suécia e Bélgica figuram entre os melhores colocados para o exercício da profissão de jornalista. Entre os piores, aparecem Belarus, Crimeia, Cuba, Guiné Equatorial, Eritreia, Irã, Coreia do Norte, Síria, Turcomenistão e Uzbequistão. Devido à forma como a polícia tratou os jornalistas nos protestos de Ferguson, no Missouri, os Estados Unidos caíram no ranking.

Outro país em que a situação para os jornalistas piorou foi a China, onde as autoridades intensificaram o controle sobre meios de comunicação liberais, segundo a Freedom House.

A Europa ainda é a região com a pontuação mais alta, mas a situação também se deteriorou nos últimos dez anos.

As condições de trabalho para jornalistas também ficaram mais duras na Rússia, Síria, Argélia, Nigéria e Etiópia, enquanto a Tunísia "registrou o melhor resultado entre os países árabes". Da população do Oriente Médio e do norte da África, apenas 2% vive num ambiente propício para o livre exercício do jornalismo.

O perigo da propaganda

A Freedom House afirma que uma das razões para o declínio da liberdade de imprensa em todo o mundo é a aplicação de leis restritivas, muitas vezes aprovadas por motivos de segurança nacional.

Segundo Dunham, um dos piores fatores do último ano foi o fato de os Estados democráticos terem que lidar com uma "investida propagandística" por parte de regimes autoritários e grupos paramilitares. "Há o perigo de que, em vez de encorajar a honestidade, o jornalismo objetivo e a liberdade de informação como antídoto, as democracias recorram à censura ou à própria propaganda", ressaltou.

GB/ap/afp

Leia mais