1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Leste ucraniano ignora Ocidente e empossa líder pró-Moscou

Apesar das críticas ocidentais, líderes rebeldes afirmam que eleições representam mais um passo legítimo em sua campanha pela criação de um Estado próprio. Chances de diálogo com Kiev são cada vez menores.

Os resultados das eleições promovidas pelos separatistas no leste da Ucrânia foram divulgados na segunda-feira e, como esperado, o chefe interino da chamada "República Popular de Donetsk", Alexander Zakharchenko, venceu por ampla maioria. A liderança rebelde parece não se importar com o fato de que Kiev e grande parte do Ocidente se recusam a reconhecer a votação.

Roman Lyagin, presidente da comissão eleitoral rebelde, minimizou a reação internacional negativa à eleição, alegando que ela foi um processo democrático. Ele se disse convencido de que o processo eleitoral foi justo e foi particularmente desafiador em relação à resposta do presidente ucraniano, Petro Poroshenko, que descreveu as eleições como "uma farsa".

"Estamos decepcionados com o governo ucraniano", disse Lyagin à DW. "Estamos decepcionados com eles, porque eles representam a comunidade internacional. Mas eles são apenas homens das cavernas. O lugar deles é no lixo, não na política. Então, acredite em mim, não estamos interessados ​​na reação da comunidade internacional."

Nesta terça-feira, Zakharchenko toma formalmente posse como presidente da chamada "República Popular de Donetsk" em uma cerimônia oficial. Gestos como estes podem não afetar significativamente a dinâmica do conflito em curso, mas eles enviam uma mensagem clara sobre a legitimidade que os líderes rebeldes acreditam ter ganhado.

Braço forte da Rússia

As eleições de domingo impulsionaram a confiança e a força dos rebeldes. E elas representaram mais um passo dos separatistas no longo caminho para a criação de seu próprio miniestado, com o "governo" rebelde gradualmente se tornando mais disciplinado e estruturado. Apelos do governo ucraniano para respeitar o território soberano não foram ouvidos.

Ostukraine Wahlen Donezk 02.11.2014 - Roman Lyagin

Roman Lyagin: "Donbas não é parte da Ucrânia"

"Kiev tem de se conformar com a ideia de que Donbas não é parte da Ucrânia", disse Lyagin, se referindo à região ocupada pelos separatistas. "Se eles vão reconhecer o resultado da nossa eleição ou não, isso é problema de Kiev."

Zakharchenko foi mais conciliador, dizendo estar pronto para o diálogo com "qualquer um que venha falar conosco". Mas ninguém está falando. Ambos os lados culpam um ao outro pela falta de progresso diplomático e reiteradas violações do acordo de cessar-fogo fechado em Minsk.

As chances de qualquer diálogo acontecer em breve parecem magras. Os rebeldes sabem que têm o controle da situação – com o braço forte da Rússia cobrindo suas costas.

Apoio em Donetsk

Mas a liderança rebelde também tem certeza que tem a população local a seu lado. Quando as portas se abriram às 8h no domingo em um local de votação em uma escola local, eleitores entraram em fluxo constante. A maioria era de pessoas mais velhas, interessadas ​​em recriar a nostalgia da antiga União Soviética.

Não houve listas oficiais de registro de eleitores. As pessoas simplesmente tinham que mostrar um passaporte para se inscrever. Eles também puderam votar online ou por via postal, resultando em um processo que não pôde ser controlado nem completamente monitorado.

Autoridades eleitorais rebeldes afirmaram que mais de um milhão de pessoas votaram em mais de 300 locais de votação, e eles dizem que o processo foi devidamente monitorado por observadores oficiais de uma organização até então desconhecida chamada ASCE.

Apesar do ceticismo dado à campanha rebelde em outros lugares, os eleitores de um local de votação no centro de Donetsk disseram que acreditavam no processo. Através das urnas de plástico transparente, era possível ver que a maioria votou em Zakharchenko, cujo nome apareceu no topo de uma lista de três candidatos presidenciais.

"Meu marido e eu votamos em Zakharchenko porque confiamos nele, e ele é uma pessoa confiável e inteligente", disse uma eleitora. "E ele começou a reconstrução na região de Donbas. É por isso que nós confiamos nele e que votamos nele."

Ostukraine Wahlen Donezk 02.11.2014

Cidadãos só precisaram de passaporte para se habilitarem a votar

Sinal claro

O local de votação em Donetsk foi supervisionado pelo ex-professor Yuri Kholyavkin, que disse: "Nós não concordamos com a política de Kiev. O povo de Donbas se opõe a eles. É por isso que queremos que as nossas vozes sejam ouvidas e levadas a sério. Estas eleições significam muito para nós. Vamos melhorar nossa situação e a crença em nós mesmos".

Tais opiniões eram compartilhadas por muitos nas ruas. Um transeunte resumiu o estado de espírito, dizendo: "Eu acho que Donetsk precisa dessas eleições porque precisamos de um poder que nos representará no cenário internacional."

No entanto, metade dos moradores da cidade esteve ausente. Muitas pessoas que fugiram dos combates nunca mais voltaram. Indiscutivelmente, aqueles antigos moradores que deixaram o lugar indefinidamente são aqueles que não apoiam a liderança rebelde.

Leia mais