1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Leste Europeu não quer virar ferro-velho

Carros usados da Europa ocidental sempre tiveram grande prestígio no leste do continente. Para evitar que se tornem "cemitério de carros", adotam medidas impopulares.

default

Em condições de uso?

Desde meados de outubro, está proibida na Sérvia a importação de automóveis fabricados há mais de três anos. A população, por seu lado, não está gostando nada disso. "Vamos bloquear rodovias importantes aqui na cidade, até que a importação volte a ser permitida", advertiu Milijove Armus, um dos porta-vozes dos 7500 motoristas de táxi da capital, Belgrado.

A idade média dos veículos que circulam pelas ruas do país é 15 anos, segundo dados oficiais. Os táxis (18 anos), são até mais antigos. A imprensa sérvia é uníssona na reclamação: "Somos o cemitério de carros de toda a Europa". Segundo o automóvel clube local, as conseqüências disso são catastróficas. Inspeções apontam que 54% dos carros têm problemas graves.

Oitenta por cento dos caminhões e ônibus podem ser considerados "bombas ambulantes", escreveu o semanário Telegraf. O vice-chefe de governo sérvio, Miroljub Labus, é da opinião de que o número de acidentes per capita em seu país é maior que em qualquer outra nação européia.

Embora os veículos importados pela Sérvia tenham que cumprir a rígida norma Euro-3, que regulamenta os limite de poluentes emitidos, tal controle na realidade não atinge os veículos que entram no país. Não é de admirar, por isso, que as nuvens de fumaça expelidas pela maioria dos veículos mal se dissipam no centro de Belgrado.

"Nossos motoristas já estão meio envenenados. Quando dirigem, parecem atordoados e desatentos ao trânsito", advertem os jornais. Grande parte do sistema viário de Belgrado ainda é do início do século passado. Ruas estreitas e prédios altos dificultam a dissipação dos poluentes.

Símbolo de status − O governo de Belgrado havia proibido a importação de carros fabricados há mais de três anos, com o argumento de que o déficit no comércio exterior nos primeiros oito meses do ano havia aumentado 70% (para 3,7 bilhões de euros) em relação ao mesmo período do ano anterior.

Automóveis são um símbolo de status também na Sérvia, independentemente da data de fabricação e dos quiômetros rodados. Os sérvios já gastaram este ano quase um bilhão de euros na compra de carros estrangeiros, sobretudo de marcas alemãs. Em Bubanj Potok, a principal praça para negociar veículos usados em Belgrado, os preços subiram 30% em poucos dias, após a proibição sancionada em meados de outubro.

Semelhanças com a Polônia − Da mesma forma, o governo em Varsóvia cogita proibir a importação de carros acidentados ou avariados. Quase a metade dos veículos que entram no país foi fabricada há mais de dez anos. A situação parece tão grave que, segundo a imprensa local, o governo polonês pretende estipular um "mínimo de condições" a serem cumpridas pelos veículos para que possam circular no país.

Leia mais