1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Leste Europeu atrai empresas alemãs de médio porte

Investir no exterior não faz parte apenas do vocabulário das multinacionais. Empresas alemãs de pequeno e médio porte optam cada vez mais por ir além das fronteiras do país.

default

Contêineres em Bremerhaven: exportações sustentam economia

Transformar-se numa empresa selada de global player, com presença marcada nos quatro cantos do planeta. O que um dia foi apenas o sonho de pequenos e médios empresários alemães vem se tornando com freqüência realidade. A ampliação da União Européia foi, neste sentido, um grande passo. O que há alguns anos era considerado um comportamento exótico e arriscado – investir fora do país – se torna cada vez mais comum.

Mão-de-obra barata

Além da China e da Índia, o Leste Europeu é um dos principais destinos das empresas alemãs. Registrando um crescimento econômico bem acima daquele da Europa Ocidental, estes países, que em parte já pertencem à UE, dispõem de uma mão-de-obra relativamente barata, se comparada à dos “velhos” membros do bloco.

“Há bastante procura de empresas de médio porte que têm interesse em investir no exterior. A maioria acredita poder conquistar novos mercados e compensar, desta forma, as oscilações do mercado interno alemão”, diz o parlamentar verde Rezzo Schlauch, encarregado do governo para questões ligadas a empresas de médio porte.

Handwerk Tischler

Marceneiros: brevemente também negociando fora do país?

As Câmaras de Artes e Ofícios (Handwerkskammern) do país prevêem que, dentro de poucos anos, 20% da mão-de-obra ativa no setor de ofícios manuais deverá fincar um pé fora do país. Hoje, apenas 2% da categoria tem contatos com o exterior.

Um grande bazar

Rezam as más línguas que a Alemanha vem se transformando aos poucos numa “economia de bazar” – onde são vendidos produtos das mais variadas procedências, exceto do próprio país. No entanto, a transferência da produção para fora se dá muitas vezes em função dos mercados consumidores existentes em outras regiões e não necessariamente visando apenas a redução de custos.

Outra questão polêmica no país é a suspeita de que tamanha transferência de produção possa extinguir empregos dentro do país. O especialista Schlauch contesta: “Uma pesquisa realizada com 750 empresas alemãs de médio porte mostrou que mais de 90% das que mantêm atividades no exterior, se não tivessem feito essa opção, já teriam reduzidos o número de empregados dentro do país. Isto sem falar da criação de novos postos de trabalho”.

Barreiras culturais e outros problemas

No entanto, cautela continua sendo a máxima, em se tratando de investir em terrenos ainda desconhecidos. Com freqüência falta a essas empresas know-how técnico e recursos humanos para se dar bem fora do país. As dificuldades, que não são poucas, vão de barreiras culturais a problemas de ordem jurídica.

Principalmente na Ásia, há um enorme volume de produtos alemães falsificados. “É claro que há riscos, mas colocando estes e as chances de sucesso na balança, elas ganham de longe. Caso contrário, o interesse pelos investimentos no exterior não seriam tão grande quanto é”, resume Schlauch.

Leia mais