1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Leituras em Frankfurt aquecem interesse pela literatura brasileira

Ciclo de leituras apresenta autores pouco conhecidos na Alemanha como preparativo para a Feira Internacional do Livro de 2013, que terá o Brasil como país homenageado.

Nem tudo é só Copa do Mundo e Olimpíadas. Antes dos dois megaeventos dos esportes desviarem a atenção para o Brasil, a partir de 2014, o país terá outras oportunidades para mostrar que a estabilidade econômica construída nas duas últimas décadas rima com produção artística e intelectual.

A Biblioteca Municipal de Frankfurt e o Consulado Geral do Brasil na cidade vêm abrindo suas portas para escritores como José Castello, André Sant'anna e Adriana Lunardi mostrarem suas obras para os leitores mais curiosos na Alemanha. O propósito da iniciativa, chamada BrasiLesen, é claro: formar novos públicos para a literatura brasileira, grande homenageada da Feira Internacional do Livro em 2013. 

Ainda que não haja medalhas ou troféus em disputa, o Brasil só tem a ganhar em termos institucionais se tiver um bom desempenho na feira editorial. Para Judith Schleyer, do Centro Cultural Brasileiro em Frankfurt (CCBF, que está organizando a BrasiLesen desde março deste ano), a questão vai além da festa: "um dos pontos importantes neste projeto é a sustentabilidade. Desde o início foi preocupação nossa fazer da BrasiLesen algo duradouro", afirmou.

Até o final do ano, a BrasiLesen apresentará leituras de Marcelo Ferroni, autor de Método prático de guerrilha, Luiz Ruffato, que lerá o romance Eles eram muitos cavalos, assim como Patrícia Melo, Marco Lucchesi e Luiz Silva (Cuti).

Ferroni fará leituras também em Munique e Berlim, escalas que Ruffato também cumprirá, sendo que este ainda passará por Worms, chegando até Viena e Salzburgo na Áustria, e também Berna e Zurique, na Suíça.

Frankfurt - José Castello und Michael Kleger

O brasileiro José Castello e o moderador alemão Michael Kleger em Frankfurt

Momento oportuno 

"A literatura brasileira conseguiu um maior interesse por parte das editoras alemãs no momento em que a notícia de que o Brasil seria o país homenageado em Frankfurt coincidiu com o lançamento de um apoio (do governo brasileiro) à tradução", observa Michael Kegler, tradutor alemão encarregado de moderar a maioria das leituras na biblioteca frankfurtiana.

Kegler, que já verteu para o idioma de Goethe diversos autores da língua portuguesa – do brasileiro Fernando Molica ao angolano José Eduardo Agualusa –, é um entusiasta da literatura brasileira, sendo integrante da equipe que seleciona os autores para as leituras do CCBF ao lado das agentes literárias Nicole Witt, Petra Maisky e Anja Saile, do livreiro português Teo Ferrer Mesquita e de Carlos Frederico Graf Schaffgotsch, um dos diretores do CCBF.

Kegler, que está envolvido com a tradução de mais um romance brasileiro, o Diário da queda, de Michel Laub, comemorou há pouco o fato de ter conseguido uma editora na Alemanha para lançar Os leopardos de Kafka, de Moacyr Scliar.

Schleyer diz ver boas perspectivas com a escolha do Brasil para ser o país homenageado da Feira de Frankfurt em 2013, 19 anos depois da primeira participação verde-amarela no evento. "Em 2013, com cada vez mais livros brasileiros saindo em edições alemãs e com as feiras de Leipzig e Frankfurt, o impacto (da literatura brasileira) na imprensa será muito maior. O interesse de todos é que esse impacto continue nos anos seguintes, pois a Biblioteca Nacional está com um programa muito bom de apoio à internacionalização da literatura brasileira", afirmou a bibliotecária.

Desafio de ser duradouro

Será que as autoridades brasileiras estão aptas a promover uma bela performance do país homenageado? "A presença em 1994 foi no século passado. O papel do Brasil neste começo de século e milênio é outro. Para mim, o desafio – que é muito difícil de vencer e que poucos países alcançam – é que todo esse esforço de apresentar a cultura de um país seja duradouro. Poucos são os convidados de honra cuja literatura e cultura se fincaram na lembrança dos alemães", afirmou Schleyer, que destacou a Holanda e a Islândia como bem-sucedidos nesse aspecto.

Para Kegler, a participação em 1994 deixou boas lembranças. "Foram publicados livros magníficos, clássicos como Os Sertões (de Euclides da Cunha) e novas vozes da época, como o lamentavelmente já falecido Caio Fernando Abreu. Depois de 94, o Brasil se encostou, caindo num cochilo, satisfeito em relação à internacionalização de sua literatura."

Um erro que Kegler gostaria de ver evitado em 2013. "Pelo que ouvi, o Brasil se apresentará como um país de literatura, de bons prosadores e poetas, de temas literários inusitados, deixando as praias um pouco de lado, pois isso todo mundo já sabe."

Já se foi o tempo em que a literatura brasileira era sinônimo exclusivo de exotismos tropicais para os leitores europeus. Prova disso foi a leitura do romance Ribamar, escrito por José Castello, que se realizou na noite de 3 de setembro em Frankfurt. O livro, que foi laureado no Brasil com o prestigiado Prêmio Jabuti em 2011, trata de um tema de caráter existencialista, enfocando a carta de um filho ao pai depois da morte deste. Uma obra densa, inspirada por Franz Kafka, que de carnaval não tem nada. E a Biblioteca Municipal de Frankfurt estava cheia.

Autor: Felipe Tadeu
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais