1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

"Lei Volkswagen" transgride legislação européia

Procurador geral da Corte Européia de Justiça propõe derrubada da lei que protege a montadora contra ofertas de aquisição hostis e garante forte influência dos governos federal e estadual na empresa.

default

Protecionismo à Volks e aos seus funcionários pode cair

A chamada "lei Volkswagen", que protege a montadora alemã contra ofertas de compra consideradas hostis, pode ser declarada ilegal pela Corte Européia de Justiça (CEJ), em Luxemburgo.

"Esta lei restringe a livre circulação de capital", argumenta o procurador geral da CEJ, Damaso Ruiz-Jarabo Colomer. Ele propôs nesta terça-feira (13/02) que a corte dê ganho de causa à Comissão Européia na queixa apresentada em outubro de 2004 contra a legislação alemã. Na maioria das vezes, os juízes europeus seguem a recomendação dos procuradores gerais. A sentença deve sair dentro de quatro meses.

Influência estatal

A "lei Volkswagen" limita os direitos de voto na maior montadora da Europa a 20% das ações, o que impede o lançamento de ofertas públicas de aquisição da empresa e garante forte influência dos governos federal e da Baixa Saxônia na empresa.

Segundo Colomer, a lei alemã de 1960 transgride a legislação européia em pelo menos dois pontos. Primeiro, os governos federal e estadual têm direito, cada qual, a dois postos no conselho administrativo da Volks. Em segundo lugar, porque nenhum acionista tem direito a mais de 20% dos votos na assembléia geral, mesmo que detenha um percentual superior de ações, como é o caso da Porsche, que controla 27,4% da capital da Volkswagen.

Essas duas regras aumentam a influência estatal e impedem a participação de grandes investidores no comando da Volkswagen, disse Jarabo. Em função da fraca participação nas assembléias de acionistas, na prática, o governo da Baixa Saxônia têm obtido maioria de votos, mesmo detendo apenas 20,8% das ações da montadora.

Interesses em jogo

O governo federal vem abrindo mão de suas duas vagas, desde que vendeu sua participação na montadora. Como os demais postos no conselho administrativo são partilhados meio a meio entre representantes dos trabalhadores e da empresa, os funcionários têm obtido maioria de votos com o apoio do governo da Baixa Saxônia.

Enquanto os social-democratas estavam no governo estadual, a prioridade era manter os empregos na Volks, bloqueando outras decisões, como o aumento de capital ou fechamento de fábricas. Desde a eleição do democrata-cristão Christian Wulf para governador, em 2003, ocorreu uma reajuste de forças no conselho administrativo.

Colomer disse que o governo federal alemão usa argumentos distantes da realidade, "não necessariamente em defesa dos interesses públicos", ao insistir na limitação do direito de voto na Volks.

A Comissão Européia já comparou a "lei Volkswagen" às golden shares, os direitos especiais que vários Estados detêm em empresas de capital público na Europa e que Bruxelas pretende eliminar.

Segundo uma sentença de 2002 da Corte Européia de Justiça, a manutenção das chamadas "ações de ouro" só é conciliável com a legislação européia quando envolve interesses nacionais estratégicos, como o abastecimento de energia.

Reações

IAA Messe Nutzfahrzeuge in Hannover VW

Ações da Volks em alta

Se os juízes da CEJ seguirem a recomendação de Colomer, a Alemanha terá de modificar ou revogar a "lei Volkswagen". A montadora diz não temer uma eventual derrubada da lei em Luxemburgo. Os dois grandes acionistas – o governo da Baixa Saxônia e a Porsche – são a melhor proteção contra ofertas de aquisição hostis, informou.

O conselho de empresa da Volkswagen criticou a posição de Colomer e pediu que a Justiça européia considere também os interesses dos trabalhadores. Segundo o presidente do conselho, Bernd Osterloh, "a queixa da Comissão Européia contra a 'lei Volkswagen' é um ataque aos funcionários da montadora. O processo atinge em cheio a idéia da economia social de mercado, da qual a VW é um símbolo".

Na Bolsa de Valores de Frankfurt, a reação à recomendação do procurador geral da Corte Européia de Justiça foi positiva. As ações da Volks estiveram em alta nesta terça-feira, com uma subida de 2,1% para 86,88 euros. Também os papéis da Porsche, que pretende aumentar sua participação na Volks, subiram 1,25%.

Leia mais