Lei de vigilância eletrônica entra em vigor em janeiro | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 26.12.2007
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Lei de vigilância eletrônica entra em vigor em janeiro

Informações sobre ligações telefônicas e transmissões de dados pela internet deverão ser arquivadas por seis meses na Alemanha. Presidente Köhler não vê inconstitucionalidade na lei.

default

Quem ligou, em que dia e por quanto tempo: intenção da lei é combater o terrorismo

O presidente alemão, Horst Köhler, sancionou a polêmica lei de vigilância eletrônica, que obriga as empresas de telecomunicação e os provedores de internet a arquivar por seis meses informações sobre ligações telefônicas e transmissões de dados pela internet.

O porta-voz do presidente, Martin Kothé, disse nesta quarta-feira (26/12) que Köhler não encontrou restrições de ordem constitucional ao projeto de lei, que foi aprovado em novembro passado pelo Parlamento alemão.

Mas várias organizações consideram a lei inconstitucional e haviam apelado ao presidente para que ele não a assinasse. Entre elas está uma associação que reúne mais de 25 mil pessoas contrárias à nova lei e que agora encaminhará uma queixa coletiva ao Tribunal Constitucional Federal, em Karlsruhe.

Dados sobre a conexão

A lei não prevê o arquivamento do conteúdo das ligações telefônicas ou das informações transmitidas pela internet, mas de dados sobre a conexão, como a duração de uma ligação telefônica, o número discado, o endereço para o qual foi enviado um e-mail ou o número de identificação dos computadores usados numa transmissão de dados.

No caso das ligações telefônicas, o arquivamento deve começar já em janeiro do próximo ano. Para as comunicações pela internet, a lei começa a valer em janeiro de 2009.

Conforme a lei, as informações arquivadas podem ser usadas apenas para o combate ao terrorismo e a atividades criminosas. O acesso aos dados é restrito à polícia e à promotoria pública. A lei prevê ainda a escuta telefônica de ligações de jornalistas, advogados e médicos, desde que haja suspeita de envolvimento em crime grave. (as)

Leia mais