1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Legado de Felipão dificulta reformulação para 2018

Técnico diz que sua seleção será base do time que irá à próxima Copa, mas 18 dos 23 convocados terão pelo menos 30 anos no Mundial da Rússia. Mau momento nas categorias de base também complica início do novo ciclo.

A eliminação sob o símbolo de um vexame histórico deixa um caminho desolador para a seleção brasileira nos próximos quatro anos. Se a estimativa de Felipão é de que 15 dos 23 convocados em 2014 estarão na Copa de 2018, uma analisa fria dos números mostra que seu legado será pouco aproveitável por seu sucessor.

A "família Scolari" de 2014 era inexperiente em Mundiais – só seis convocados haviam disputado uma Copa – porém não era tão jovem. Daqui a quatro anos, 18 deles terão pelo menos 30 anos de idade, o que deve inviabilizar uma nova convocação para a maioria.

O novo ciclo já se inicia em torno de Neymar, poupado das críticas pelo destino, que o tirou da semifinal contra a Alemanha, e pelas boas atuações nas partidas anteriores. O capitão Thiago Silva terá 33 e seu companheiro David Luiz, único elogiado após a eliminação, 31. A idade de ambos é considerada boa para jogadores da posição.

O meia Oscar é outro que, hoje com 22 anos, tem boas chances de ir à Rússia. Assim como Marcelo, que apesar de não ser unanimidade e de já ter 26 anos, deve continuar dono da posição pela falta de concorrentes. As certezas, porém, param por aqui.

Júlio César terá 38 anos e já disse que fez sua última Copa pela Seleção. Seus reservas, Jefferson e Victor, terão 35, o que não faz deles seus substitutos naturais. Daniel Alves, com 35, e Maicon, com 36, não deverão mais ter fôlego para jogar em alto nível na lateral direita.

FIFA WM 2014 Deutschland vs Brasilien 08.07.2014

Thiago Silva e David Luiz terão mais de 30, mas têm boas chances de irem ao próximo Mundial

No meio-campo, Willian e Bernard são jovens e terão menos de 30 em 2018. Mas não foram bem na Copa e oscilam em seus clubes. O mesmo pode-se se dizer de Paulinho, Ramires e Hernanes, que terão ainda a desvantagem de estarem acima dos 30. Luiz Gustavo fez boa Copa, mas, volante apenas de marcação, terá que cair no gosto do sucessor de Felipão.

Já no ataque, com exceção de Neymar, ninguém deve se salvar. Entre os mais criticados da campanha brasileira, Fred, Hulk e Jô estarão todos acima dos 30 e certamente não aguentarão mais um Mundial.

O panorama se complica quando se olha para as categorias de base brasileiras, que não passam por um bom momento. A Seleção Sub-20 nem se classificou para o Mundial, e a Sub-17 não conquista a competição há mais de uma década.

O problema de formação de jogadores foi reconhecido pelo próprio Carlos Alberto Parreira em entrevista coletiva na quarta-feira (10/07): "Nós, agora, temos a chance de repensar, rever e investir melhor na formação de atletas." Talvez, para 2018, já seja tarde demais.